Jornal do Commercio
INOVAÇÃO

Uber e Embraer anunciam parceria para criar 'carros aéreos'

Com os táxis aéreos, um percurso que seria feito em duas horas, levaria apenas 18 minutos para ser feito

Publicado em 26/04/2017, às 09h47

Modelo terá decolagem e aterrissagem vertical  / Foto: Reprodução
Modelo terá decolagem e aterrissagem vertical
Foto: Reprodução
Editoria de Economia

A Embraer, uma das maiores fabricantes de aeronaves do mundo, anunciou um acordo com a Uber para o desenvolvimento e implantação de uma nova modalidade de serviços, os táxis aéreos.

Conhecidos como VTOLs, esse tipo de veículo se diferenciam dos helicópteros por não emitirem poluentes e serem mais silenciosos.
De acordo com o projeto da Uber, uma viagem entre as cidades de São Paulo e Campinas, por exemplo, que normalmente levaria duas horas de carro, seria feita em dezoito minutos com os 'carros aéreos'.

O modelo, com decolagem e aterrisagem vertical, deve iniciar operação em caráter experimental em 2020, inicialmente
em Dubai e no Texas. O contrato entre as duas empresas foi anunciado nessa terça-feira (25), mas o valor do contrato é mantido sob sigilo.



Para viabilizar o veículo, a empresa brasileira vai começar a produzir, ainda este ano, protótipos dos VTOLs que devem funcionar como uma alternativa de transporte nos grandes centros. A Embraer também divulgou que a implementação dos 'carros aéreos' contará com um sistema composto por plataformas de embarque e desembaque, criação de rotas, desenvolvimento de softwares e controle de tráfego aéreo.

Características

Especificações como o número de motores, tamanho da cabine, velocidade e distância alcançadas pelo veículo ainda estão sendo dicutidas entre a Uber e a Embraer. Os VTOLs terão motores elétricos, com o objetivo de reduzir a emissão de poluentes
e reduzir ruídos.

"No exercício dessa parceria, vamos desenvolver novas tecnologias, novos produtos e novos modelos de negócios que podem gerar oportunidades para a Embraer no futuro", afirmou o presidente-executivo da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva.

 


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM