Jornal do Commercio
MERCADO DO GÁS

Mercado de gás está se tornando mais aberto e competitivo, diz diretor

Segundo Décio Oddone, setor de gás passa por transformações por causa da Petrobras e do pré-sal

Publicado em 05/12/2017, às 15h48

Décio Oddone, presidente da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) / Foto: Agência Brasil
Décio Oddone, presidente da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)
Foto: Agência Brasil
ABr

 O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, disse nesta terça-feira (5) que o setor passa por transformações profundas, estimuladas pela política de desinvestimentos da Petrobras e pelo incremento da produção com o pré-sal. Oddone participou nesta terça-feira do lançamento do estudo Perspectivas do Mercado de Gás Natural, organizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

“A gente nunca teve um mercado aberto, dinâmico e competitivo. Estamos caminhando para isso”, disse o diretor da ANP na abertura do encontro, citando a venda da participação da Petrobras em distribuidoras e o desinvestimento em gasodutos no Sudeste e Nordeste.

Para Oddone, o Brasil ainda consome um volume muito pequeno de gás natural, e a chegada do gás offshore produzido no pré-sal “deve dar uma chacoalhada no mercado” interno. “O potencial para crescimento da penetração do gás na matriz energética brasileira é muito grande”.

Produção

A gerente de Petróleo, Gás e Naval do Sistema Firjan, Karine Fragoso, apresentou o estudo, que inclui artigos do Ministério de Minas e Energia, do governo do Rio de Janeiro, da própria Firjan, da Petrobras e de associações de classe do setor. Karine destacou números sobre o Rio de Janeiro, que é o principal produtor de gás do país, com mais de 45% da produção bruta nacional.



“No Rio de Janeiro, a gente tem uma estrutura mais madura, mais conhecida e trabalhada”, disse. “Não faltam oportunidades de trabalhar em infraestrutura e em investir na dinamização desse mercado”, acrescentou.

A gerente da Firjan destacou que é comum atribuir a produção da Bacia de Santos ao estado de São Paulo, onde fica o município de Santos. No entanto, os campos mais produtivos da bacia ficam na costa fluminense, e a produção do pré-sal na Bacia de Santos já responde por 64% do gás produzido no estado do Rio.

A participação fluminense no setor deve crescer, segundo previsão da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O diretor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da instituição disse que o Rio de Janeiro aumentará de 47% para 56% sua participação na oferta potencial de gás natural entre 2016 e 2026, período em que o total nacional deve aumentar de 47 milhões de metros cúbicos por dia para 75 milhões de metros cúbicos por dia.

Sobre a produção nacional de petróleo, a EPE prevê que 2017 termine com um patamar de 2,7 milhões de barris diários. Em 2026, a produção deve chegar a 5,2 milhões de barris por dia, gerando para o país uma receita de R$ 40 bilhões em royalties e R$ 20 bilhões em participações especiais. A projeção leva em conta um valor de US$ 80 por barril de petróleo e US$ 1 cotado a R$ 3,77.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Sávio,07/12/2017

Vamos interpretar a palavra "competitivo" com a fala deste sujeito, é aquilo que as distribuidoras estão ganhando mais e nós se acabando

Por Francisco de Assis Maciel,05/12/2017

Que vergonha Brasil!!!!! como esse país vai melhorar nunca!!!! esse marginais da Petrobras mentem a mão no polvo brasileiro para repor o que esse bandidos roubaram e tomaram da Nação Brasileira a 6 meses antes dos aumentos a Petrobras publicava um balanço com o maior rombo de sua história devido aos ratos de colarinho branco terem saqueado a empresa agora já vem com conversar de lucros???? o que é isso Brasil acorda esse maginas no poder estão maquiando os números e apresentando melhoras no País. Acorda meu povo quantos ja não morreram por falta de remédios e atendimentos nos hospitais públicos esses maginais são atendidos no Sirio Libanês de São Paulo manda para as UPAS e postos médicos que falta tudo para o povo Brasileiro, então deixem de dizer que o país tem reserva de Petróleo e Gás pois estamos sendo roubados mai uma vez, Acorda Povo vamos para Revolução!!!!!!!!!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM