Jornal do Commercio
MERCADO

Pesquisa revela que consumidor está cauteloso

O Indicador de Confiança do Consumidor ficou registrou 42 pontos em abril. Resultados abaixo de 50 pontos indicam pessimismo

Publicado em 17/05/2018, às 12h27

Mesmo com inflação controlada, 49% dos consumidores atribuem a avaliação negativa da vida financeira ao alto custo de vida / Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Mesmo com inflação controlada, 49% dos consumidores atribuem a avaliação negativa da vida financeira ao alto custo de vida
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
ABr

O consumidor brasileiro segue cauteloso, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira (17), em São Paulo, pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).  

O Indicador de Confiança do Consumidor (ICC) ficou estável ao passar de 42,2 pontos em março para 42,0 pontos em abril. No mesmo período de 2017, o índice estava em 40,5 pontos. 

A metodologia da pesquisa, que tem seu indicador de zero a 100, indica que resultados acima de 50 pontos demonstram otimismo entre os consumidores e abaixo dessa marca, representam pessimismo.

"A lenta e gradual retomada econômica ainda não exerce efeito no humor do brasileiro, que segue cauteloso para comprometer sua renda, mesmo com uma inflação sob controle. A expectativa é que a confiança acompanhe o ritmo de melhora do mercado de trabalho, que deve se consolidar apenas após o período eleitoral”, disse o presidente da CNDL, José Cesar da Costa.

Custo de vida

Mesmo com inflação controlada, 49% dos consumidores atribuem a avaliação negativa da vida financeira ao alto custo de vida. O aumento de preços de produtos e serviços serve como argumento principal da percepção negativa da economia brasileira para 51% dos consumidores, enquanto 39% citam os altos juros.



“Mesmo com a inflação abaixo da meta, o custo de vida ainda incomoda porque a renda ainda não se recuperou para níveis próximos ao período pré-crise. O desemprego continua elevado, a despeito do avanço recente da atividade econômica”, afirmou a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

A elevação dos preços é sentida, principalmente, nos supermercados (87%), combustíveis (85%) e conta de energia (82%). Os consumidores mencionam também o fato de estarem desempregados (37%), a queda da renda familiar (27%) e de terem lidado com algum imprevisto que desorganizou as finanças (16%).

Em sentido oposto, para aqueles que consideram o momento atual como bom ou ótimo, o controle das finanças foi a razão mais destacada, lembrada por 57% dos entrevistados. Há ainda 24% que disseram contar com alguma reserva financeira.

Futuro

A pesquisa também procurou saber o que os brasileiros esperam do futuro da economia para os próximos seis meses e descobriu que 40% estão declaradamente pessimistas com a economia.

Quando essa avaliação se restringe à vida financeira, o volume de pessimistas cai para 12%. Os otimistas com a economia são 17% da amostra, ao passo que, para a própria vida financeira, o percentual dos que vislumbram uma melhora  sobe para 56% dos ouvidos pela pesquisa.

 


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM