Jornal do Commercio
GREVE DOS CAMINHONEIROS

Abcam: Se baixar o imposto a zero, acaba a greve dos caminhoneiros

Entidade que representa caminhoneiros afirmou que se decisão de zerar impostos for assinada, paralisação será encerrada 'automaticamente'

Publicado em 24/05/2018, às 15h02

Movimento dos caminhoneiros pretende pedir ao governo a mudança da frequência de atualização dos preços dos combustíveis / Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Movimento dos caminhoneiros pretende pedir ao governo a mudança da frequência de atualização dos preços dos combustíveis
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, disse que a paralisação dos motoristas "acaba automaticamente", se o Senado aprovar a redução da PIS/Cofins para combustíveis e a decisão for sancionada pelo presidente da República, Michel Temer, para publicação no Diário Oficial. "Se a decisão sobre zerar impostos for assinada, o movimento será automaticamente levantado", disse em entrevista com jornalistas na manhã desta quinta-feira, 24.

Ao iniciar a conversa, o líder da entidade que representa os motoristas disse que a expectativa era que o Senado chancelaria a decisão sobre os impostos que aprovada na noite anterior pela Câmara. A afirmação fora feita antes de Fonseca ser informado que o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), havia viajado para o Ceará.

Questionado sobre a decisão da Petrobras de reduzir o preço do diesel em 10% e mantê-lo estável por 15 dias, o presidente da entidade disse que a medida "não refrescou nada" para os caminhoneiros.

Fonseca defende que a redução do preço tem de ser permanente - através dos impostos - e que haja maior previsibilidade na oscilação dos preços.



Para isso, o movimento dos caminhoneiros pretende pedir ao governo a mudança da frequência de atualização dos preços dos combustíveis.

Precificação

Atualmente, a Petrobras atualiza a tabela diariamente conforme o preço internacional do petróleo e da variação do dólar. Ao governo, o movimento dos caminhoneiros pedirá uma janela mais ampla, com prazos que poderiam ser entre 30, 60 e 90 dias.

Durante a entrevista, o presidente da Abcam demonstrou contrariedade com a viagem do presidente do Senado para o Ceará. "Se Eunício quiser esperar até a semana que vem, vamos esperar, mas parados", disse.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM