Jornal do Commercio
Aumento

Incerteza sobre quadro eleitoral cresce e juros fecham nas máximas

Condições físicas do candidato Jair Bolsonaro pesaram sobre o aumento dos juros

Publicado em 13/09/2018, às 17h26

Presidenciável precisou passar por cirurgia de urgência na noite de quarta-feira (12) / Foto: Agência Brasil
Presidenciável precisou passar por cirurgia de urgência na noite de quarta-feira (12)
Foto: Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Os juros futuros fecharam em alta, nas máximas, influenciados pelas incertezas do cenário eleitoral e pela pressão no câmbio, na contramão do quadro relativamente calmo nesta quinta-feira (13) no exterior. As dúvidas sobre a recuperação das condições físicas do candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, a tempo de retomar a campanha, pesaram sobre os ativos domésticos, imprimindo viés de alta às taxas.

Na reta final da sessão regular, os DIs ampliaram o avanço e bateram máximas, após notícia sobre supostos repasses de caixa 2 para a campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) durante as eleições de 2014, ao mesmo tempo em que dólar se aproximava dos R$ 4,20.

Os principais contratos fecharam com taxas todas nas máximas. A do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou a 8,66%, de 8,476% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2021 em 10,00%, de 9,776% no ajuste anterior.

A taxa do DI para janeiro de 2023 subiu de 11,575% para 11,74%, e a do DI para janeiro de 2025, de 12,384% para 12,50%.

Bolsonaro, que foi esfaqueado na semana passada durante campanha de rua em Juiz de Fora (MG), passou na noite de quarta-feira por uma cirurgia de emergência para retirar aderências do intestino e liberar ponto de obstrução. Segundo boletim médico da manhã desta quinta, ele evoluiu bem após a cirurgia, "sem intercorrências".



As dúvidas vão desde os rumos da campanha durante o período de recuperação, que agora pode se estender para além do primeiro turno, a até mesmo a necessidade de uma eventual substituição da cabeça de chapa por outro nome do partido.

Ibope

Bolsonaro, que cresceu nas intenções de voto captadas pela pesquisa Ibope após o atentado, é visto agora como uma opção ao risco de vitória de um candidato de esquerda na eleição, uma vez que Alckmin, o preferido dos investidores, não consegue evoluir na preferência do eleitorado.

Para piorar, no fim da sessão, as taxas reagiram negativamente à notícia de que diálogos obtidos pela Polícia Federal entre funcionários de uma transportadora de valores usada pela Odebrecht citam supostas entregas de R$ 1,5 milhão em dinheiro vivo na casa de um ex-assessor do governo Alckmin durante as eleições de 2014.

No câmbio, às 16h41, o dólar à vista, após romper os R$ 4,20 nas máximas, era negociado em R$ 4,1973 (+1,11%). Nas ações, o Ibovespa recuava 0,79%, aos 74.530,85 pontos.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM