Jornal do Commercio
Eleições 2018

Pobreza no Nordeste é grande desafio para candidatos à Presidência

Nordeste tem alto índice de famílias abaixo da linha de pobreza, um dos problemas a serem enfrentados pelo novo presidente

Publicado em 11/10/2018, às 08h37

Nordeste está acima da média brasileira quando o assunto é extrema pobreza / Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Nordeste está acima da média brasileira quando o assunto é extrema pobreza
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
ADRIANA GUARDA, BIANCA BION E LUIZA FREITAS

Desempregado, Carlos Alberto da Silva, 61 anos, sustenta a esposa e dois netos com cerca de R$ 70 que consegue ganhar por mês fazendo bicos. Morador das palafitas da comunidade Roque Santeiro, no bairro recifense dos Coelhos, ele viu a situação da família se agravar quando perdeu o emprego há dois anos. Trabalhava na prefeitura com serviços de esgotamento. Uma ironia para quem, toda vez que a maré sobe, precisa atravessar a água com lixo e dejetos, se quiser entrar ou sair de casa. “Às vezes, à noite, não tem nem um pão para morder. A vida era melhor quando eu tinha trabalho, comia melhor... carne, frango. Agora, só uma vez por ano e olhe lá. Quase toda semana eu vou procurar emprego, mas está mais difícil”, comenta.

>>> Decisivo no 2º turno, Nordeste pouco aparece nos planos de governo de Bolsonaro e Haddad

O desemprego empurrou Carlos para a situação de extrema pobreza que cresceu no País durante o período de crise, passando de 3,2% do total das famílias em 2014 para 4,8% no ano passado, segundo estudo da Tendências Consultoria Integrada. O material aponta, ainda, que a piora foi mais profunda no Nordeste, região em que todos os Estados estão acima da média brasileira quando o assunto é extrema pobreza. É um País mais pobre que o novo presidente vai encontrar, ao tomar posse em janeiro, com o desafio de ajustar a situação fiscal sem aprofundar as desigualdades sociais.

O estudo mostra que a pobreza extrema (famílias com renda per capita mensal de até R$ 85) cresceu em 25 Estados brasileiros. No Nordeste, região mais dependente de programas sociais, oito dos nove Estados apresentaram piora da miséria no período estudado pela Tendências. O Maranhão sofreu mais. A proporção de famílias em extrema pobreza saiu de 8,7% para 12,2% no período. Na Bahia, Piauí e Sergipe, a quantidade praticamente dobrou. Em Pernambuco, o número saltou de 5,4% para 7,7%. Apenas a Paraíba reduziu o número de famílias nesta situação, passando de 6,4% para 5,7%. A piora no quadro do Nordeste se explica porque a crise econômica freou o crescimento acima da média nacional e grandes investimentos na região.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Não foi só a extrema pobreza que cresceu. Estudo do diretor da FGV Social, Marcelo Neri, aponta que 6,3 milhões engrossaram a estatística da pobreza (pessoas com renda per capita mensal de R$ 233). Houve um aumento de 33% na pobreza entre 2014 e 2017. “Houve um retrocesso social. Alguns fatores ajudaram para este aumento, o desemprego, a inflação e o problema fiscal. Em 2015 a pobreza aumentou 19,6%, como reflexo da recessão. Depois a inflação foi controlada. No mesmo ano, o Bolsa Família ficou congelado em termos nominais (sem levar em conta a inflação, que estava em 10% na época). Estimativas mostram que o Norte e o Nordeste foram as regiões mais afetadas. Os jovens também”, comenta Neri. A meta da ONU é de reduzir para menos de 3% o número de pessoas vivendo nesta situação em todo o mundo até 2030. Segundo estimativa de Neri, se o Brasil crescer 2,5% todos os anos até lá, só voltará a níveis abaixo dos registrados em 2014 (quando a pobreza atingiu o menor patamar, 8,38%) em 2030.

O economista afirma que o Brasil possui uma plataforma social estabelecida, com programas como o Cadastro Único e o Bolsa Família. “Em qualquer País que está em crise, como a que o Brasil viveu, as redes de proteção social são muito importantes, não só para a pobreza não subir, mas para manter as rodas da economia girando. O Brasil tem essa rede, então, o que acontece é que, se você não mantém a rede funcionando, a pobreza volta a subir, como aconteceu”, complementa. A cada R$ 1 que o governo gasta a mais com Bolsa Família, o PIB aumenta R$ 1,78, de acordo com estimativas da FGV Social.

Outras soluções, a longo prazo, incluem investimentos em educação na primeira infância e inclusão produtiva e financeira. Entre 2014 e 2017, o Bolsa Família o valor médio de pagamento passou de R$ 27 bilhões para R$ 29 bilhões por ano. Por causa do ciclo eleitoral, a expectativa é de queda de 2% na pobreza este ano.



Para a professora do economia do Insper, Juliana Inhasz, combater a pobreza é uma forma de romper o ciclo vicioso da recessão, em que a pessoa perde o emprego, a renda e deixa de consumir, piorando a situação econômica do País, sem estímulo à produção. “O governo já deveria ter resolvido há muito tempo a questão fiscal. Em paralelo, tem que pensar em reformas que consigam diminuir as distorções que existem hoje. Por exemplo, será que a reforma previdenciária beneficia o mais pobre?”, questiona.

Na quarta-feira (10), em entrevista à Rádio Jornal Caruaru, Fernando Haddad (PT), candidato à Presidência, usou o Bolsa Família para criticar o adversário de segundo turno, Jair Bolsonaro (PSL). “É um desrespeito chamar de esmola o que sustenta crianças famintas. Não é esmola, isso é direito. Matar a fome é direito constitucional. Garantir que as crianças frequentem a escola é obrigação do Estado. Levar água para as pessoas é um direito. Será que cisterna é esmola? Transposição do São Francisco é esmola? Universidade pública em Caruaru, em Garanhuns, em Petrolina é esmola? Eu não acho. Tudo isso é direito”, diz. “Não vamos desrespeitar a população, como meu adversário faz, querer cortar direito trabalhista, congelar direitos trabalhistas, taxar população”, afirmou. “Bolsa família é importante, mas não é o único programa que levamos ao Nordeste”, completou.

Também ontem, o presidente nacional do PSL, Gustavo Bebbiano, afirmou que, se Bolsonaro for eleito, o presidenciável do partido vai implementar um 13º salário para os beneficiários do programa Bolsa Família. Bebbiano não detalhou de onde os recursos serão retirados e disse que o pagamento poderá ser feito em duas parcelas. O candidato, recentemente, desautorizou o seu vice, general Hamilton Mourão, que criticou o 13º salário e o abono de férias que classificou como “jabuticabas brasileiras”. Na reta final da campanha, o programa eleitoral na TV tem estratégia de mostrar Bolsonaro como alguém que veio da extrema pobreza. “Vamos mostrar uma pessoa que veio da extrema pobreza, virou oficial das Forças Armadas e que, hoje, tem grandes chances de ser presidente do Brasil”, disse o senador eleito, Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidenciável.

MUNDO

No mundo, a redução da miséria sofreu uma forte desaceleração entre 2013 e 2015. Nos 25 anos passados entre 1990 e 2015 a taxa mundial caiu de 36% para 10% (uma média de mais de um ponto percentual por ano), mas nos últimos dois anos pesquisados essa queda foi de apenas um ponto percentual.

A metodologia usada considera como extrema pobreza a quantidade de pessoas que vive com menos de US$ 1,9 por dia. Sobre a diminuição da velocidade com a qual a miséria está caindo, o presidente da instituição, Jim Young Kim, destacou que a superação da pobreza passa necessariamente pelo investimento em capital humano e o crescimento inclusivo. O artigo publicado pela instituição financeira destaca, ainda, que a redução das taxas de miséria encontram mais resistência em países “de baixa renda e nos que são afetados por conflitos políticos”.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM