Jornal do Commercio
FERROVIA

Transnordestina fica pronta em 2027 custando R$ 13 bilhões

Novos valores e prazos foram formulados pela empresa responsável pelo empreendimento e serão apresentados ao Tribunal de Contas da União (TCU)

Publicado em 08/11/2018, às 06h23

Obras estão paradas desde o início de 2017 e, seguindo o novo cronograma, só devem ser retomadas no segundo semestre de 2019 / Foto: Diego Nigro/ JC Imagem
Obras estão paradas desde o início de 2017 e, seguindo o novo cronograma, só devem ser retomadas no segundo semestre de 2019
Foto: Diego Nigro/ JC Imagem
LUIZA FREITAS

A conclusão total da Ferrovia Transnordestina deve ficar para 2027, dezessete anos após cronograma inicial. A maior obra em andamento de transporte terrestre do País e uma das mais importantes intervenções da história do Nordeste também ficará ainda mais cara: serão necessários R$ 6,3 bilhões adicionais, o que elevará o custo total da obra para R$ 13,2 bilhões.

Os novos valores e prazos foram formulados pela empresa responsável pelo empreendimento e serão apresentados ao Tribunal de Contas da União (TCU). Por determinação do órgão, as obras estão paradas desde o início de 2017 e, seguindo o novo cronograma, só devem ser retomadas no segundo semestre de 2019.

As mudanças foram apresentadas pela Transnordestina Logística S.A. (TLSA) à comissão da Câmara de Deputados que analisa a situação da obra. A empresa contratou uma consultoria para reafirmar a viabilidade econômica e financeira da ferrovia e validar o projeto executivo – que nunca chegou a ser elaborado.

Seguindo os trâmites legais, a proposta deve ser analisada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e TCU nos próximos meses, permitindo a volta das obras entre agosto e setembro de 2019.

A nova ideia é tratar o empreendimento a partir de quatro “circuitos” comerciais que começarão a operar em sequência e cuja atividade deve ajudar a financiar as demais fases.



A primeira etapa, prevista para ser entregue em dezembro de 2021, mantém o foco no transporte de minério de ferro do Piauí ao Porto de Pecém, no Ceará. Em sequência viria o transporte de grãos também do Piauí a Pecém, depois o transporte de grãos para consumo interno pelo polo avicultor de Pernambuco e, apenas em 2027, a ligação da ferrovia ao Porto de Suape.

PRIORIDADE

Para o primeiro circuito, a TLSA já apresentou parceiros privados interessados em financiar R$ 2,2 bilhões da obra do “L invertido” (trecho de Eliseu Martins a Pecém). Seriam R$ 1,72 bilhão da Sace, agência italiana de crédito, e R$ 500 milhões da mineradora Bemisa. Para a logística da carga da ferrovia para o Porto de Pecém, o interessado seria a Nelog, empresa de logística da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), controladora do consórcio TLSA.

Durante a apresentação, o “L invertido” foi tratado repetidamente como prioridade para a viabilidade financeira do projeto, que ainda não tem parceiros interessados em financiar os trechos mais estratégicos para Pernambuco. Com isso, aumenta o receio do mercado pernambucano de que a ligação com Suape não se concretize. Mesmo com relevância do tema para o Estado, a reunião da comissão externa aconteceu com a participação apenas de deputados do Piauí e do Ceará e nenhum dos cinco parlamentares pernambucanos que integram o grupo de acompanhamento atuou na sabatina.

A apresentação do projeto na Câmara contou com a participação do presidente da TLSA, Jorge Luiz de Mello. Questionado sobre as razões para o atraso e a elevação do custo da obra pelo deputado Júlio Cesar (PSD-PI), Mello respondeu: “Estávamos tocando o projeto como as empresas privadas tocam: assumimos o projeto base e vamos nos adaptando às incertezas. Como houve a conclusão de que é preciso olhar como uma obra pública, então agora estamos fazendo um projeto detalhado”.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM