Jornal do Commercio
Mercado de trabalho

iFood abrirá mil vagas no país até o fim do ano

Hoje, o iFood tem 1,4 mil pessoas trabalhando no Brasil

Publicado em 05/02/2019, às 09h06

As principais áreas de contratação serão nos departamentos comercial e de tecnologia / Foto: Divulgação
As principais áreas de contratação serão nos departamentos comercial e de tecnologia
Foto: Divulgação
Estadão Conteúdo

O aplicativo de entrega de refeições iFood quer colocar comida na mesa de mais brasileiros este ano. Hoje presente em 483 municípios do País, a startup pretende chegar a "milhares de cidades" em 2019, disse nessa segunda-feira (5) o presidente executivo da empresa, Carlos Moyses, ao jornal O Estado de S. Paulo. Para garantir esse crescimento, a companhia anunciou que pretende abrir mil vagas até o fim do ano - hoje, tem 1,4 mil pessoas trabalhando no Brasil, incluindo 650 contratadas nos últimos três meses.

Segundo o executivo, as principais áreas de contratação serão nos departamentos comercial e de tecnologia. "Vamos investir em inteligência artificial, novas funções e melhoria na logística", disse o executivo. "Vamos melhorar o sistema de rotas para os entregadores - assim eles conseguem ser mais eficientes e os pedidos chegam mais rápido para os clientes."

Outra área em que a empresa pretende avançar é a de pagamentos pelo aplicativo. Se for bem sucedida, conseguirá faturar mais por participar das transações, ao mesmo tempo em que reduz o uso de maquininhas de cartão.

Os recursos para a expansão virão do aporte de US$ 500 milhões recebido pela empresa em outubro - o maior para uma startup da América Latina. Na ocasião, o iFood virou um unicórnio (startup avaliada acima de US$ 1 bilhão).



Em alta

Não é o único número superlativo recente na trajetória da empresa: em janeiro, o aplicativo teve 14,1 milhões de pedidos no País. Ao todo, a empresa tem hoje 55 mil restaurantes e 10,8 milhões de usuários em sua base por aqui. Também opera no México e na Colômbia.

Para Moyses, não assusta o surgimento de competidores no mercado nacional. Além do Uber Eats, que rivaliza com o iFood para clientes de renda mais alta desde o fim de 2016, há também os apps de entrega de comida Rappi e Glovo, além dos serviços de delivery ofertados pelos próprios restaurantes.

O mercado de delivery está em expansão: segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), o setor movimentou R$ 11 bilhões em 2018. "Nosso foco está em mudar hábitos", diz o executivo do iFood. Se depender dele, ninguém mais vai "esquentar a barriga" no fogão ou queimar a mão cozinhando. "Meu maior competidor ainda é o fogão."


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM