Jornal do Commercio
Notícia
PROPOSTA

Entenda como será o imposto único de Bolsonaro

Além de fundir os impostos federais, o governo vai preparar com a Câmara dos Deputados uma PEC que una o imposto único com o ICMS e o ISS

Publicado em 11/04/2019, às 09h00

Governo espera que 2020 já comece com os tributos fundidos em um só / Foto: Marcos Corrêa/PR
Governo espera que 2020 já comece com os tributos fundidos em um só
Foto: Marcos Corrêa/PR
JC Online
Com informações do jornal O Estado de S. Paulo

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) prepara uma reforma tributária que prevê trocar até cinco tributos federais por uma única cobrança. A proposta foi anunciada na terça-feira (9) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, durante participação na Marcha dos Prefeitos, em Brasília. A reforma  também vai acabar com a contribuição ao INSS que as empresas pagam atualmente sobre a folha de pagamentos. Em substituição, duas opções estão sendo analisadas: a criação de um imposto sobre todos os meios de pagamento ou um aumento adicional na alíquota do imposto único.

Segundo o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, a ideia é que 2020 comece com os tributos tendo passado por uma “plástica cirúrgica”. “Teremos tributos mais eficientes e simplificados”, disse Cintra ao jornal o Estado de S. Paulo. Os impostos que devem ser unificados são o PIS, Cofins, IPI, parte do IOF e, possivelmente, a CSLL.

O secretário disse ainda que desoneração total da folha de pagamentos será permanente e para todos os setores. A medida é diferente da adotada pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2011, quando permitiu que uma alíquota de 20% sobre a folha de salários fosse substituída por um porcentual sobre o faturamento. A proposta agora é que não haja impostos sobre salários.

Impostos estaduais e municipais

Além de unificar os impostos federais, o governo vai preparar com a Câmara dos Deputados uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que possibilite a fusão do imposto único federal com o ICMS (estadual) e o ISS (municipal). Pela proposição, que tem o apoio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o nome dessa tributação que será cobrada pelos três governos será Imposto de Bens e Serviços (IBS).



Para discutir a PEC, um grupo de trabalho será criado pela Câmara, já que, por envolver prefeitos e governadores, a proposta leva mais tempo para ser negociada e aprovada pelo Congresso. Por conta disso, o governo quer fazer numa primeira etapa as mudanças nos impostos federais. Uma primeira reunião entre Cintra, Appy e os técnicos ocorrerá nesta quinta-feira (11).

Reforma no Congresso

Ao Estado de S. Paulo, Marcos Cintra disse não ver problemas na negociação entre Maia e o líder do MDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), para a apresentação de uma nova PEC da reforma tributária. “A tradição histórica brasileira é sempre o Legislativo apresentar grandes projetos de reforma”, falou o secretário.

Para ele, é a primeira vez que os Poderes Executivo e Legislativo vão construir uma solução de “mãos dadas”. Ex-deputado federal e autor da proposta de imposto único que ainda tramita no Congresso, Cintra disse que, como gestor público, agora precisa pensar de forma pragmática porque é preciso uma reforma “para já”. “O Brasil vive um manicômio tributário”, afirmou o secretário. “Temos de fazer uma reforma que não pode ser a do século XXI, mas que será um rito de passagem para um modelo melhor”, completou.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM