Jornal do Commercio
Notícia
Inovação

Inteligência artificial elevará desemprego no país, dizem especialistas

Segundo especialistas, a IA irá aumentar a desigualdade no Brasil

Publicado em 18/05/2019, às 10h06

A pesquisa analisou seis segmentos da economia: agricultura, pecuária, óleo e gás, mineração e extração, transporte e comércio e setor público  / Foto: Divulgação
A pesquisa analisou seis segmentos da economia: agricultura, pecuária, óleo e gás, mineração e extração, transporte e comércio e setor público
Foto: Divulgação
Agência Estado

Responsável por reduzir burocracias, automatizar processos e aumentar a eficiência, a inteligência artificial (IA) pode aumentar o desemprego no País em quase 4 pontos porcentuais, nos próximos 15 anos. Os dados são de um estudo desenvolvido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), em parceria com a Microsoft, e foram apresentados ontem.

Para simular o impacto da adoção de IA na economia brasileira, a pesquisa estipulou três cenários de crescimento no uso da tecnologia - um otimista, um neutro e um pessimista. Os panoramas também acompanham previsões de crescimento da economia brasileira.

No mais severo dos cenários, os mais afetados serão os trabalhadores menos qualificados, que poderão ver o desemprego aumentar em 5,14 pontos porcentuais; já o número de vagas qualificadas pode subir com a adoção massiva de inteligência artificial, em até 1,56 ponto porcentual. "A inteligência artificial aumentará a desigualdade no País", diz Felipe Serigatti, professor de economia da FGV e responsável pelo estudo.

A pesquisa analisou seis segmentos da economia: agricultura, pecuária, óleo e gás, mineração e extração, transporte e comércio e setor público (educação, saúde, defesa e administração pública). Os trabalhadores mais afetados no cenário mais agressivo são os mais qualificados dos setores de óleo e gás e de agricultura. O primeiro terá redução nos empregos de 23,57%, e o segundo, de 21,55%. "Esse impacto é diferente entre jovens e adultos, mas ainda precisamos de mais dados", diz Serigatti.

Na pesquisa, foram considerados apenas cenários nos quais o uso de IA varia. Foram desconsideradas possíveis influências de reformas como a previdenciária ou a tributária, bem como mudanças no padrão de crescimento da economia.

Aumento de renda

Por outro lado, a implementação da tecnologia promete aumentar a renda tanto dos trabalhadores menos quanto dos mais qualificados, em todos os cenários.



No mais agressivo, os menos qualificados terão aumento de 7% na renda, enquanto os mais qualificados verão esse número crescer em 14,72%. No mercado geral, o aumento de renda será de 9,26%.

A pesquisa detectou nos três cenários o aumento do bem estar da população, o que, segundo Serigatti, é definido como acesso de bens de consumo e serviços: 0,9% no cenário brando e 9,6% no mais agressivo.

O aumento do PIB também é registrado nos três cenários: 0,64% (brando), 1,32% (intermediário) e 6,43% (agressivo).

Educação

A pesquisa foi divulgada em uma palestra sobre educação da Microsoft - empresa que tem longa relação com o governo brasileiro e trabalha no setor de educação.

"A educação é mais importante do que nunca para o futuro do Brasil e pagará dividendos em 20, 30, 40 anos. Eu disse isso a ministros da Educação anteriores", disse Anthony Salcito, vice-presidente da divisão de educação da Microsoft, durante a apresentação.

Questionado sobre o atual momento do Ministério da Educação, Salcito repassou a palavra para Vera Cabral, diretora da área da empresa no País. "É difícil falar sobre governos, mas a gente gostaria de ter um ministro da educação que realmente desse prioridade para a educação", afirmou.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM