Jornal do Commercio
Notícia
Compra

Leilão de ativos da Avianca arrecada US$ 147,320 milhões

Os dois primeiros lotes, os de maior valor, ficaram com Gol e Latam, respectivamente, por US$ 70 milhões cada um

Publicado em 10/07/2019, às 16h53

Leilão de ativos da Avianca arrecada US$ 147,320 milhões / Foto: Bianca Sousa/JC Imagem
Leilão de ativos da Avianca arrecada US$ 147,320 milhões
Foto: Bianca Sousa/JC Imagem
Estadão Conteúdo

O leilão dos ativos da Avianca Brasil realizado nesta quarta-feira, 10, levantou US$ 147,320 milhões. A disputa ficou concentrada, como esperado, entre Gol e Latam, com a primeira levando a melhor no único lote em que houve uma disputa. No Lote 6 (UPI E), composto por seis voos de Guarulhos, quatro voos do Santos Dumont e nove voos de Congonhas, a Gol venceu com uma oferta de US$ 7,3 milhões. O lance inicial, de US$ 10 mil, foi feito pela Latam.

Sete dos blocos leiloados eram formados por horários de pousos e decolagens (slots) e um pelo programa de fidelidade da companhia aérea.

Início

Os dois primeiros lotes, os de maior valor, ficaram com Gol e Latam, respectivamente, por US$ 70 milhões cada um. No pagamento, ambas devem descontar US$ 13 milhões cada uma, valor que haviam emprestado para a Avianca continuar operando.



O leilão ainda pode ser anulado pela Justiça, pois a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) conseguiu autorização para redistribuir os slots da aérea. O pagamento da Gol e da Latam só será efetuado após decisão judicial.

Dos blocos ofertados, dois não receberam propostas: a UPI F, composta por 23 voos de Congonhas, e a UPI do programa de fidelidade.

O valor arrecadado ficou aquém do esperado pela Elliott, gestora americana e maior credora da Avianca Brasil, com 74% da dívida. A companhia esperava que o leilão levantasse cerca de US$ 200 milhões.

Palavras-chave




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();