Jornal do Commercio
Notícia
FISCALIZAÇÃO

Bolsonaro pretende tirar Coaf do 'jogo político' e vinculá-lo ao Banco Central

Coaf é o órgão responsável por analisar transações financeiras suspeitas relacionadas a população brasileira

Publicado em 09/08/2019, às 11h22

Bolsonaro transferiu o Coaf para o Ministério da Justiça ao assumir o governo, mas Congresso devolveu órgão ao Ministério da Economia / Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Bolsonaro transferiu o Coaf para o Ministério da Justiça ao assumir o governo, mas Congresso devolveu órgão ao Ministério da Economia
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 9, que pretende transferir o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), hoje vinculado ao Ministério da Economia, para o Banco Central. "O que pretendemos é tirar o Coaf do jogo político", afirmou o chefe do executivo.

De acordo com ele, o Coaf no Banco Central vai fazer o "trabalho sem qualquer suspeição de favorecimento político". "Tudo onde tem política, mesmo bem intencionado, sofre pressão", disse o presidente.

Além disso, o órgão pode ter um quadro efetivo e até mudar de nome, declarou o chefe do executivo ao deixar o Palácio da Alvorada. 



Na entrevista, Bolsonaro estava ao lado do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Entenda

Bolsonaro transferiu o Coaf para o Ministério da Justiça ao assumir o governo. O Congresso, no entanto, devolveu o órgão ao Ministério da Economia, sob presidência do ministro Paulo Guedes.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) foi criado em maio de 1998, no governo de Fernando Henrique Cardoso, e é o órgão responsável pela fiscalização de ocorrências suspeitas de atividade ilícitas relacionada à lavagem de dinheiro além de desempenhar atividades de regulação e aplicação de penalidades nos setores obrigados para os quais inexistam órgãos fiscalizadores próprios.

Destino

O destino do presidente do Coaf será decidido pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Perguntado sobre como o órgão ficaria livre de indicações políticas, Bolsonaro citou um exemplo de que poderia sugerir a Moro que tirasse alguém do Coaf enquanto a pasta estivesse no Ministério da Justiça. "Queremos evitar isso aí. Quando menos o Estado, a política, interferir no destino do Brasil, entendo que seja melhor."




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM