Jornal do Commercio
Notícia
LIBERDADE ECONÔMICA

O eSocial vai mudar; e agora?

O JC conversou com dois advogados para saber quais serão as principais mudanças no eSocial

Publicado em 14/08/2019, às 19h35

Nessa terça-feira, a Câmara dos Deputados aprovaram a MP da Liberdade Econômica / Foto: Ana Volpe/Agência Senado
Nessa terça-feira, a Câmara dos Deputados aprovaram a MP da Liberdade Econômica
Foto: Ana Volpe/Agência Senado
Rute Arruda
rarruda@sjcc.com.br

Na noite dessa terça-feira (13) a Câmara dos Deputados aprovou, com 345 votos a favor, 76 contra e uma abstenção, a Medida Provisória 881/2019, chamada de MP da Liberdade Econômica. Entre as principais mudanças, está a substituição do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial). Veja o que poderá mudar na relação empregado-empregador com as mudanças propostas na MP.

Em vigor desde o início de 2019, o sistema serve como uma forma da empresa prestar contas ao Governo Federal. "O eSocial é um banco de dados onde se reúne todas as informações daquele contrato de trabalho. Desde o cadastramento, o início do contrato, o salário, a função, as atividades, os programas de segurança, de medicina do trabalho, as horas extras, entre outros", explicou o advogado trabalhista Marcos Alencar. Segundo ele, não haverá "mudança significativa" com a substituição anunciada pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL). "Esse (novo) sistema vai ficar mais fácil". Alencar esclareceu ainda que as informações trabalhistas e previdenciárias serão separadas das fiscais.

Com a MP da Liberdade Econômica, o governo pretende desburocratizar processos e ainda pôr limites de regulação do Estado. "Nós temos um Estado muito burocrático e o custo para cumprir as obrigações é muito alto. Então nós temos que ter um modelo eficiente de fiscalização porque a sonegação no País é grande", comentou o advogado trabalhista e previdenciário Ney Araújo. Ele ainda explicou que com o eSocial, o Governo Federal tem um "espelho" de cada empresa.

Trabalho aos domingos

Além da mudança no eSocial, a MP permite ao trabalhador trabalhar aos domingos sem receber o dobro da hora extra caso não tenha folga durante a semana que se seguir. Mas segundo Araújo, as categorias que tiveram o pagamento acordado com o empregador, ele permanecerá porque está previsto no artigo 611-A da Reforma Trabalhista. "O negociado prevalece o legislado", explicou.



Como funciona o eSocial?

Segundo consta no portal do eSocial, na prática, as empresas precisam enviar as informações [relativas aos trabalhadores] para a plataforma do sistema. "Todos esses dados, na verdade, já são registrados, atualmente, em algum meio, como papel e outras plataformas online", mostra um trecho no site.

Por meio do sistema, as empresas comunicam ao sistema, de forma unificada, 15 obrigações. São elas:

GFIP - Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social;
CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados para controlar as admissões e demissões de empregados sob o regime da CLT;
RAIS - Relação Anual de Informações Sociais;
LRE - Livro de Registro de Empregados;
CAT - Comunicação de Acidente de Trabalho;
CD - Comunicação de Dispensa;
CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social;
PPP - Perfil Profissiográfico Previdenciário;
DIRF - Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte;
DCTF - Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais;
QHT – Quadro de Horário de Trabalho;
MANAD – Manual Normativo de Arquivos Digitais;
Folha de pagamento;
GRF – Guia de Recolhimento do FGTS;
GPS – Guia da Previdência Social.

Em relação aos trabalhadores, a promessa do eSocial é dar "maior garantia em relação à efetivação de seus direitos trabalhistas e previdenciários e à maior transparência referente às informações de seus contratos de trabalho".




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM