Jornal do Commercio
Notícia
SALÁRIO MÍNIMO

Governo quer tirar da Constituição Federal o reajuste do salário mínimo de acordo com a inflação

A intenção é de um possível congelamento de reajuste salarial em desequilíbrio fiscal

Publicado em 16/09/2019, às 21h46

A cada R$ 1 de aumento no salário mínimo é gerado um custo adicional de R$ 302 milhões ao governo, segundo o ministério da Economia / Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
A cada R$ 1 de aumento no salário mínimo é gerado um custo adicional de R$ 302 milhões ao governo, segundo o ministério da Economia
Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
JC Online
Com informações do Estadão Conteúdo

Prevendo uma economia de R$ 37 bilhões, a equipe econômica do Governo Bolsonaro estuda retirar da Constituição Federal a previsão de que o salário mínimo seja corrigido pela inflação.

O intuito é de que, em momentos de desequilíbrio fiscal, como o que é vivido atualmente, haja condições de congelar aumentos nominais (dar a variação da inflação) do salário por alguns anos, até que as possíveis situações sejam normalizadas.

Previsão para 2020

Para 2020, está previsto na proposta de orçamento o aumento de R$ 41 reais para o salário mínimo que atualmente é de R$ 998, levando em conta a variação da inflação. Porém, há quem defenda a ideia de não dar nem mesmo a inflação como reposição salarial para abrir espaço no orçamento para despesas de custeio da máquina pública e investimentos.

Direito previsto na Constituição Federal

O direito a um salário mínimo é previsto na Constituição Federal e este deve ser feito com “reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo”. Desta forma, o governo se vê obrigado a, todos os anos, recompor ao menos a inflação. Até 2018, a política de reajuste fixava uma correção pelo Índice de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior mais o Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. Por exemplo, em 2017 e 2018, o reajuste foi concedido com base na inflação, porque o PIB dos anos anteriores (2015 e 2016) teve retração.



Impacto econômico a cada R$ 1 de aumento salarial

A cada R$ 1 de aumento no salário mínimo é gerado um custo adicional de R$ 302 milhões ao governo, segundo o ministério da Economia. Isso, também, porque uma série de benefícios sociais, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e o abono salarial é indexada ao salário mínimo e, por isso, tem um aumento proporcional.

O governo, com as contas apertadas, tenta encontrar formas de enxugar as despesas obrigatórias para abrir o máximo de espaço no Orçamento e no teto de gastos. Já se percebe que já não há espaço para cortes de gasto no discricionário e, além disso, há um entendimento de que será muito difícil manter a máquina pública funcionando devidamente no formato previsto no Orçamento, com discricionárias (custeio da máquina pública e investimentos) fixadas em R$ 89,161 bilhões.

A contenção do aumento do salário mínimo, em virtude do efeito sobre o avanço do gasto com benefícios sociais, é uma das principais apostas do governo para diminuir o peso da despesa obrigatória.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM