Jornal do Commercio
Notícia
FINANCIAMENTO

Caixa reduz juro do crédito imobiliário, mas não bate bancos privados

Com a ofensiva do banco público, porém, as instituições ficam mais alinhadas

Publicado em 08/10/2019, às 12h24

Nesta terça, a Caixa anunciou que o juro mínimo cobrado no crédito imobiliário com recursos da poupança passará de 8,50% mais Taxa Referencial (TR) para 7,50% mais TR. / Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Nesta terça, a Caixa anunciou que o juro mínimo cobrado no crédito imobiliário com recursos da poupança passará de 8,50% mais Taxa Referencial (TR) para 7,50% mais TR.
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Apesar de a Caixa Econômica Federal ter anunciado corte de até 1,0 ponto porcentual nos juros dos financiamentos imobiliários com recursos da poupança (SBPE) no período da manhã desta terça-feira, 8, não foi mais agressiva que os bancos privados, que já tinham feito tal movimento. Com a ofensiva do banco público, porém, as instituições ficam mais alinhadas, com o título de menor juro no segmento nas mãos do Bradesco, seguido pelo Itaú Unibanco.

Nesta terça, a Caixa anunciou que o juro mínimo cobrado no crédito imobiliário com recursos da poupança passará de 8,50% mais Taxa Referencial (TR) para 7,50% mais TR.

No Bradesco, a taxa mínima passou de 8,20% ao ano mais TR para 7,30% ao ano mais TR.

Já o Itaú está oferecendo crédito imobiliário a partir de 7,45% ao ano mais TR ante juros de 8,1% a ano mais TR.

Dos grandes bancos de varejo no Brasil, falta apenas o Santander aderir à mais nova rodada de corte de juros nos financiamentos imobiliários, motivado pela queda da taxa básica, a Selic, para 5,5% ao ano.

O banco, que reúne nesta terça investidores e analistas para falar sobre perspectivas para a instituição no País, puxou essa fila no início de julho ao baixar sua taxa mínima para 7,99% ao ano mais TR.

A mais recente leva de corte de juros ocorre em meio ao cenário de redução de juros no País, com a Selic no patamar histórico de 5,5% ao ano. Além de elevar a concorrência entre os bancos, servindo de trampolim para a portabilidade no crédito imobiliário, as novas taxas tendem a empurrar os juros para o menor piso histórico do setor.



Ao fim de agosto, a taxa do segmento, considerando recursos direcionados, estava em 8,2% ao ano, acima de julho, com 7,7% ao ano, segundo dados divulgados do Banco Central. O piso no segmento foi visto em fevereiro de 2013, quando o juro do crédito imobiliário estava em 7,69%.

FGTS

Outra discussão no setor é a disputa pela administração dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que hoje é monopólio da Caixa. O desejo dos bancos privados de dividir o bolo é antigo.

Conforme anteciparam na segunda-feira o jornal O Estado de S. Paulo e o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), a Caixa vai apresentar ao ministro da Economia, Paulo Guedes, uma proposta de redução da sua taxa de administração para manter o monopólio.

Atualmente, o banco público cobra uma taxa de 1% para administrar os cerca de R$ 550 bilhões do fundo, cujos recursos são usados pelos mutuários para abater do crédito imobiliário, obter taxas mais atrativas.

Além disso, o veículo financia projetos de infraestrutura, saneamento e habitação como, por exemplo, o Minha Casa, Minha Vida. Uma das propostas em análise, conforme apuraram o Estadão e o Broadcast, seria cortar a taxa para 0,8%. No ano passado, a Caixa obteve R$ 5,1 bilhões do governo federal. Com a nova taxa, essa receita cairia para pouco mais de R$ 4 bilhões.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM