Jornal do Commercio
Notícia
NEGÓCIOS

Nordestinos em canal direto com a China para trazer investimentos

Pernambuco, Maranhão e Paraíba estão negociando a aquisição de sistemas de reconhecimento facial com as chinesas

Publicado em 18/11/2019, às 08h40

A economia chinesa é importante para o Brasil tanto do ponto de vista comercial quanto do investimento / Foto: Pixabay
A economia chinesa é importante para o Brasil tanto do ponto de vista comercial quanto do investimento
Foto: Pixabay
Adriana Guarda

A onda de investimentos chineses está chegando com mais força no Nordeste. A penúria de recursos federais para aplicar em infraestrutura, a oportunidade de expansão em setores no radar dos asiáticos e a decisão dos governadores da região de atuar em bloco criam um ambiente propício à atração de negócios. Se depender dos governadores nordestinos, a frase dita pelo presidente Jair Bolsonaro durante a visita do presidente chinês Xi Jinping, durante a Cúpula dos Brics no Brasil, na semana que passou cabe perfeitamente à região: “a China cada vez mais faz parte do futuro do Brasil”.

A economia chinesa é importante para o Brasil tanto do ponto de vista comercial quanto do investimento. Principal parceiro comercial do País há 10 anos, no ano passado a corrente de comércio entre os dois países chegou a US$ 100 bilhões e no acumulado até outubro deste ano está em US$ 81,5 bilhões. Para a China, o Brasil é o quarto principal destino de seus investimentos no mundo, atrás apenas de Estados Unidos, Austrália e Canadá. E no Investimento Estrangeiro Direto (IED), os chineses aparecem em segundo lugar, tendo aplicado US$ 80,5 bilhões no Brasil entre 2003 e o terceiro trimestre de 2019, chegando perto dos norte-americanos com US$ 82,9 bilhões.

Enquanto no ano passado o presidente Bolsonaro aparecia nas manchetes internacionais com uma postura mais reativa, dizendo que “a China não ia comprar o Brasil”, os governadores nordestinos trataram de alinhavar parcerias por meio do Consórcio Nordeste, atuando em grupo e captando recursos para a região. Um dos projetos é o Nordeste Conectado, uma PPP (parceria público-privada) para instalar milhares de quilômetros de fibra ótica e conectar os Estados. As chinesas Huawei e a ZTE estão interessadas no negócio. A ZTE começou entrando pelo território piauiense, onde vai fornecer 5 mil km de fibra ótica para o projeto Piauí Conectado. E a Huawei é parceira do governo da Bahia, que investiu R$ 18 milhões em um sistema de reconhecimento facial e utiliza a tecnologia para auxiliar a Secretaria de Segurança Pública.

Pernambuco, Maranhão e Paraíba também estão negociando a aquisição de sistemas de reconhecimento facial com as chinesas. No Metrô do Recife foram investidos R$ 61,5 milhões na compra de 1.380 câmeras alta resolução da Dahua Technology. As câmeras fazem o videomonitoramento do sistema e ajudam a combater situações como depredação, invasão de área restrita, furto e assalto.



“Os investimentos chineses tiveram ciclos no Brasil. Até 2010 a predominância era das commodities, depois veio a fase do consumidor, com a venda de celulares, computadores e eletrônicos. A partir de 2014 avançaram os negócios nas áreas de infraestrutura e energia e no ano passado teve o boom de tecnologia e inovação, com o aparecimento das fintechs e a aquisição de aplicativos como a 99 Táxi pela Didi”, detalha o CEO do Lide China, José Ricardo dos Santos Luz Júnior.

GRANDES PROJETOS

Em agosto, o governador da Bahia e presidente do Consórcio Nordeste, Rui Costa, esteve em Brasília para apresentar o consórcio ao embaixador da China Yang Wanming. O Estado, aliás, é o que tem maior número de grandes empreendimentos negociados com os chineses. Dentre eles estão a Ponte Salvador-Itaparica e um VLT em Salvador (veja gráfico ao lado). Em Pernambuco, a expectativa é começar a captar investimentos em obras de infraestrutura. Algumas das oportunidades seriam o trecho da ferrovia Transnordestina até Suape, que poderá deixar de ser da CSN, e as obras do segundo terminal de contêineres de Suape. “Os executivos da CCCC (China Communications Construction Company) já disseram que têm interesse em construir o Tecon 2. Eles são especialistas na construção de terminais pelo mundo e entregam o equipamento pronto para operar”, diz o presidente do Porto de Suape, Leonardo Cerquinho.

No Ceará, as negociações caminham com empresas dos setores de saúde, renováveis, petróleo e gás e educação. “A China é a coqueluche do mercado mundial, não há quem não queira fazer negócio com eles, e o Nordeste oferece muitas oportunidades. Estamos produzindo a energia do futuro com o crescimento da eólica e da solar. E acredito que vai chegar um momento em que a região é quem vai abastecer o País. Temos portos importantes como os do Pecém, Suape e Itaqui e uma demanda gigante de investimentos em rodovias, saneamento e ferrovia. Todas essas áreas estão na mira dos chineses”, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico do Ceará, Maia Júnior.

Na área do comércio exterior o desafio é diversificar a pauta. “Hoje, 89% do que o Brasil exporta para a China são produtos básicos, enquanto compramos deles produtos manufaturados de alto valor agregado”, alerta José Ricardo, do Lide China.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM