Jornal do Commercio
Notícia
DETERMINAÇÃO

Por ordem da Justiça, Loggi terá que reconhecer vínculo trabalhista com motoboys

Agora, a Loggi terá que limitar a jornada de trabalho dos motoristas em oito horas e implementar folga de um dia

Publicado em 06/12/2019, às 17h56

A empresa
A empresa "lamentou" a decisão da Justiça
Foto: Reprodução/Facebook
JC Online
Com informações do G1

Segundo a decisão da 8ª Vara do Trabalho de São Paulo, publicada na última quinta-feira (05), a empresa de entregas Loggi, por determinação da Justiça, terá de reconhecer o vínculo trabalhista com os motoboys que prestam serviço para a companhia. O Ministério Público do Trabalho (MPT) moveu a ação em agosto do ano passado.

A juíza Lávia Lacerda, na decisão, determina que a Loggi coloque um limite de oito horas na jornada de trabalho e implemente, também, descanso semanal de um dia, além de fazer o registro em sistema eletrônico de todos os motoristas que desempenharam alguma atividade nos últimos dois meses. A companhia de entregas terá que fazer o pagamento adicional de periculosidade aos motofretistas, além de ter a obrigação de fornecer capacetes e coletes de segurança para os trabalhadores.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, em setembro deste ano, que os motoristas que prestam serviços para aplicativos de transportes, como Uber e 99, não têm qualquer vínculo empregatício com as empresas. Segundo especialistas, o entendimento vem sendo mau interpretado. Eles afirmam que a responsabilidade de decidir as questões trabalhistas no que se refere aos aplicativos de transporte de passageiros é da Justiça do Trabalho.



Com a palavra, a Loggi

A Loggi “lamentou” a determinação da Justiça do Trabalho e disse que a “decisão pode ser revista pelos tribunais superiores”. Segundo a empresa, apenas profissionais que sejam Microempreendedores Individuais (MEI) são cadastrados no sistema. A companhia assegurou que “disponibiliza seguro contra acidentes, oferece cursos de pilotagem, realiza campanhas permanentes de segurança no trânsito e disponibiliza locais para descanso e convívio”.

Em junho, motoboys afirmaram que a grande oferta de mão de obra permitiu que as plataformas reduzissem os valores pagos e assumissem, completamente, o controle da operação. “No começo, era mil maravilhas, os caras pagavam bem, 100%. Hoje em dia, não. Eles escracharam mesmo o mercado de trabalho”, afirmou o motoboy Alan Rocha.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();