Jornal do Commercio
Notícia
CHEQUE ESPECIAL

Você sabia que vai pagar taxa do cheque especial mesmo sem usar o serviço? Saiba o que fazer

Os juros do cheque especial foram reduzidos a um teto de 8% ao mês

Publicado em 11/12/2019, às 20h00

A partir de 1º de junho de 2020, basta ter apenas um limite de cheque especial acima de R$ 500 para ser obrigado a pagar a tarifa / Foto: ABr
A partir de 1º de junho de 2020, basta ter apenas um limite de cheque especial acima de R$ 500 para ser obrigado a pagar a tarifa
Foto: ABr
JC Online
Com informações do UOL

Como foi noticiado em novembro, que o Banco Central limitou os juros do cheque especial a um teto de 8% ao mês. Mas tem uma regra que muita gente não percebeu, ou percebeu e ainda não se preocupou. É que os bancos estão autorizados a cobrar uma tarifa mesmo de quem não usa o serviço. Ou seja, mesmo se não utilizar o cheque especial, você vai pagar uma taxa por mês.

A nova regra vale a partir de 1º de junho de 2020. Basta ter apenas um limite de cheque especial acima de R$ 500 para ser obrigado a pagar a tarifa. Só não pagará a taxa quem tem até R$ 500 de limite. Para que você entenda melhor, o Jornal do Commercio preparou uma série de respostas para as perguntas que surgem quando o assunto é a taxa do cheque especial.

Entenda melhor sobre os juros do cheque especial

Como funciona a nova taxa?

Se você tiver um limite de até R$ 500, o banco não poderá cobrar tarifa. Só os juros sobre o que você utilizar será cobrado, claro. Agora, se tiver um limite acima de R$ 500, o banco poderá tarifar você. Por exemplo, se o seu limite for de R$ 1.000,00, a instituição financeira poderá cobrar, todos os meses, R$ 1,25, ou seja, 0,25% sobre o valor que ultrapassou R$ 500.

Se você entrar no cheque especial, a tarifa deve ser descontada dos juros. Ou seja, se uma pessoa passar o mês no cheque especial, com um crédito de R$ 1.000,00, sendo a taxa de juros de 8%, ela irá pagar R$ 80,00 de juros, menos R$ 1,25 que havia sido pago de tarifa.

O banco tem que avisar antes?

Sim. Na regra criada pelo Banco Central, os clientes têm que ser avisados até um mês antes de começar a cobrança da tarifa. Segundo informou o BC, cerca de 80 milhões de clientes de bancos têm um limite acima de R$ 500. Outros 19 milhões de consumidores têm o limite de crédito no cheque especial abaixo dos R$ 500. Com estes dados, consegue-se entender que muitos consumidores precisam ser avisados.

Cheque especial deve virar parte do meu salário?

Não. O cheque especial, como diz o próprio nome, é algo "especial", que não se usa toda hora. É um serviço que o cliente deve utilizar apenas quando há uma extrema necessidade. "Infelizmente, muitos brasileiros consideram o cheque especial um complemento de renda. Acabam esquecendo de contabilizar os custos dos juros e, quando vão ver, entraram em uma dívida grande", diz a educadora financeira da Dsop Educação Financeira, Ana Rosa Vilches.



Qual das opções é a mais barata: crédito pessoal ou cheque especial?

Se você precisar de um recurso extra, o mais recomendado é pedir um crédito pessoal. As taxas de juros são inferiores à metade das cobranças no cheque especial. Só para se ter uma ideia, a taxa média cobrada no cheque especial é de 12,4% ao mês. Segundo a regra criada pelo Banco Central, ela vai cair para 8%, a partir de janeiro.

No crédito pessoal, a taxa média é de 5,9% ao mês. Agora, se for uma linha de crédito consignado, ou seja, vinculada ao salário, o custo cai para 2,5%, para trabalhadores do setor privado e para 1,4%, no caso do funcionário público.

É melhor pagar multa por atraso ou juros do cheque especial?

Segundo recomendam os consultores, é melhor pagar os juros por atraso. Entre as dicas, está a de reduzir as opções no débito automático. Quando uma fatura pesada cai no dia em que sua conta estiver com pouco saldo, o boleto volta. Com isto, entendemos que o cheque especial é algo opcional.

Devo reduzir o meu limite para R$ 500?

As recomendações são muitas. Alguns consultores sugerem que é melhor o cliente se antecipar e pedir ao banco a retirada do limite, caso a instituição decida cobrar a tarifa sobre o cheque especial. Já outros, dizem que é bom negociar antes. Pode ser que o banco não cobre a tarifa no seu caso, ou cobre menos. O limite pode ser útil em alguma emergência, vale ressaltar.

Se o banco cobrar uma tarifa sem avisar, pode ser alvo de uma ação judicial por parte do cliente. Se este não contratou o serviço e foi cobrado sem a solicitação, fica caracterizada a pratica abusiva, prevista no artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor, segundo o Procon-SP.

"Sem dúvida, o cliente tem que se antecipar e pedir o ajuste no limite do cheque especial para até R$ 500, ou negociar para que não haja a cobrança da tarifa. Afinal, existe o risco de o cliente começar a pagar sem sequer a perceber a cobrança da tarifa no meio dos juros", explica Ana Rosa.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();