Jornal do Commercio
AGRICULTURA

Gravatá muito além do morango

Município assume sua face tropical, deixa o morango de lado e investe mesmo é em abacaxi e nas flores

Publicado em 07/08/2011, às 12h30

Cecília Ramos

Conhecida terra do morango, Gravatá, a 85 quilômetros do Recife, há uma década praticamente não produz a fruta. Salvo um ou outro agricultor, que produz em mínima escala, os morangos que você vê (e muitas vezes compra) na BR-232 a caminho do município ou no centro, é "importado", como dizem por lá. Vêm de São Paulo, Espírito Santos e Minas Gerais - como também os que são vendidos no Recife. Mesmo assim, a fama dos morangos ficou no imaginário dos pernambucanos.

As alegações são diversas para o fim da produção: "deu praga", "o veneno não curou", "não houve incentivo" e até porque "tudo tem seu tempo", disseram alguns agricultores. A famosa Festa do Morango deixou de ocorrer em 2002, devido à escassez da fruta. E já no final, comercializava os morangos "importados". O evento foi criado pelo então prefeito Sebastião Martiniano. Com o seu falecimento, assumiu o vice, Joaquim Neto, que transformou a festa em Festival Cultural de Gravatá, englobando toda a produção local. O atual prefeito, Ozano Brito, continuou a festa e assim ocorre até hoje, em novembro.



A fama dos morangos acabou encobrindo a fruta que realmente "brota" em abundância, há mais de três décadas: o abacaxi. A abacaxicultura toma boa parte do agreste de Gravatá, enquanto que os morangos eram cultivados na outra ponta, o brejo. Nas duas áreas, a diversidade impressiona. O JC visitou o município, ao longo da semana, percorreu alguns roçados e constatou que nesta cidade do Agreste Central de Pernambuco em se plantando tudo dá: de chuchu a flores. O clima e a terra gravataense são generosos.

» Leia a reportagem completa no caderno Economia do Jornal do Commercio dests domingo (7).





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Sozinhas nasce uma mãe Sozinhas nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM