Jornal do Commercio
recuperação

Ferrovia destruída pelas enchentes será recuperada

A estimativa do diretor-presidente da Transnordestina, Tufi Daher, é de que a ferrovia esteja pronta em seis meses

Publicado em 30/01/2012, às 21h11

Felipe Lima

Pela segunda vez em menos de cinco anos, a Transnordestina Logística anunciou a recuperação da ferrovia que liga o Cabo de Santo Agostinho ao município de Porto Real do Colégio, situado na divisa entre Alagoas e Sergipe. Com 550 quilômetros (km), o trecho é estratégico por ser a ligação ferroviária entre vários Estados nordestinos com o Sudeste. Foi destruído pela primeira vez nas enchentes de 2000. Segundo a empresa, após ter sido recuperado totalmente em 2010 com investimentos de R$ 114 milhões, tornou-se novamente vítima da força das águas. Agora, um ano e meio depois da catástrofe, consumirá R$ 60 milhões para ter de volta 380 km e finalmente funcionar no século XXI. O que ainda não aconteceu.



Infográfico

Ferrovia destruída pelas  enchentes será recuperada

O anúncio dos novos trabalhos foi feito nesta segunda, no Palácio do Campo das Princesas. A estimativa do diretor-presidente da Transnordestina, Tufi Daher, é de que a ferrovia esteja pronta em seis meses, contados a partir do momento em que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) aprovar o licenciamento ambiental dos serviços. Nos três primeiros anos de operação, Cabo-Porto Real do Colégio terá capacidade para transportar por trilhos até 1,5 milhão de toneladas anuais em cargas.

A previsão é de que passarão pela ferrovia açúcar e álcool, principalmente, além de fertilizantes, cimento, combustíveis, produtos de mineração e até siderúrgicos.

Em solo pernambucano, serão empregados cerca de R$ 25 milhões que vão gerar algo em torno de 200 empregos. Dos 350 pontos danificados, 100 estão no Estado. As obras vão alterar a rotina das cidades de Canhotinho, Maraial, São Benedito do Sul, Ribeirão, Palmares, Catende e Quipapá.

Leia mais no JC desta terça-feira (31)




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM