Jornal do Commercio
tumulto

Revoltados, trabalhadores transformam Refinaria Abreu e Lima em palco de guerra

Representantes do Sintepav foram apedrejados pelos trabalhadores, que não aceitam o reajuste salarial de 10,5% proposto pelo Sintepav. Vários ônibus foram queimados. A polícia precisou atirar balas de borracha contra os manifestantes. Algumas pessoas ficaram feridas

Publicado em 08/08/2012, às 08h10

Ônibus foram queimados durante o tumulto / Foto: Adriana Guarda/JC
Ônibus foram queimados durante o tumulto
Foto: Adriana Guarda/JC
Do JC Online
Com informações da repórter Adriana Guarda

Atualizada às 11h10

A Refinaria Abreu e Lima virou cenário de guerra, na manhã desta quarta-feira (8). Os cerca de 44 mil trabalhadores da refinaria não aceitaram a proposta feita pelo sindicato da categoria e partiram para a agressão física. Representantes do Sintepav foram apedrejados pelos trabalhadores, que não aceitam o reajuste salarial de 10,5% proposto pelo Sintepav. Vários ônibus foram queimados. A polícia precisou atirar balas de borracha contra os manifestantes. Algumas pessoas ficaram feridas.

O sindicato queria fazer um acordo com as empresas para evitar o desconto dos dias parados. A intenção era evitar que o trabalhadores fossem punidos não só pelos dias parados, mas pela suspensão da cesta básica e do programa de participação nos lucros. Durante a confusão, os representantes do sindicato precisaram se esconder, com medo de serem mortos pelos trabalhadores revoltados.

O presidente do Sintepav, Aldo Amaral, destaca que o reajuste salaial de 10,5% foi um ganho tão positivo que a categoria reivindica o mesmo ganho nas obras do Porto de Pecém, no Ceará, e da Hidrelétrica de Jirau, em Rondônia.



preso_refinaria_470_

Na terça-feira (7), o Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT) decretou a abusividade da greve e o desconto dos dias parados dos 44 mil trabalhadores da Refinaria Abreu e Lima, no Complexo de Suape. Os operários deveriam retornar ao trabalho nesta quarta-feira.

O presidente da Refinaria Abreu e Lima, Marcelino Guedes, chegou agora a pouco ao local do conflito. Segundo ele não cabe à Petrobras resolveu o problema que está acontecendo na refinaria. "Este é um problema entre as empreiteiras e os trabalhadores. O que estamos percebendo que está havendo uma dificuldade de liderança sindical", afirmou.

Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM