Jornal do Commercio
Infraestrutura

Obra da ferrovia Transnordestina será retomada

Empresa responsável pelo projeto garante que a obra vai ganhar ritmo nas próximas semanas

Publicado em 11/02/2014, às 08h00

 / Priscilla Buhr/JC Imagem
Priscilla Buhr/JC Imagem
Da Editoria de Economia

Depois de passar seis meses parada, após a rescisão do contrato com a Odebrecht, a obra da ferrovia Transnordestina será retomada. A Transnordestina Logística S.A. (TLSA) - responsável pelo empreendimento - garante que o projeto será intensificado nas próximas semanas. Apesar de não informar os nomes das construtoras que vão substituir a Odebrecht, no mercado a informação é que a Queiroz Galvão será responsável pelo trecho do Ceará, a CMT Engenharia ficará com os lotes em Pernambuco e a Civilport Engenharia com a parte do Piauí.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a TLSA confirma que a obra será remobilizada, mas não informa o número de trabalhadores nem os nomes das empreiteiras. “A construção da ferrovia Transnordestina está em curso e terá seu ritmo intensificado nas próximas semanas. Estão sendo mobilizadas novas equipes, equipamentos e materiais para as novas frentes de trabalho que estão sendo instaladas”, diz, em nota encaminhada ao JC.

O titular da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), Paes Landim, adianta que amanhã em Brasília será assinada a última parte da repactuação do contrato entre a Transnordestina, a autarquia e o Ministério dos Transportes. Desde 2012, ministérios, fontes financiadoras e TLSA discutiam como desatar a obra, que está há sete anos em execução. O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que foi assinado em novembro do ano passado, foi uma tentativa de acalentar os interesses da TLSA e do governo. Um acordo de investimento permitiu um aumento de R$ 5,4 bilhões para R$ 7,54 bilhões no orçamento da obra. A TLSA vinha pressionando pelo reajuste. Por outro lado, a empresa terá que apresentar um cronograma confiável sob pena de multa e até de perda da concessão.



“A assinatura de amanhã é desdobramento desses ajustes”, diz Landim, sem detalhar. O pacote de mudanças também incluiu o aumento do prazo de concessão da ferrovia para 2057. Em setembro de 2013, a Sudene aumentou para 51,4% o financiamento do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE) na obra. O regulamento do fundo prevê que o pagamento do financiamento pode ser pago em dinheiro ou por meio da conversão do valor devido em ações.

Com 1.728 quilômetros, a ferrovia vai ligar a cidade de Eliseu Martins, no Piauí, aos portos de Pecém (no Ceará) e ao de Suape. Quando a obra foi desmobilizada estava com cerca de 4 mil operários.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM