Jornal do Commercio
Indústria

BRF vai vender fábrica de leite em Bom Conselho

Grupo francês Lactalis será o novo dono da indústria, inaugurada em 2009

Publicado em 05/09/2014, às 08h00

Fábrica da BRF, em Bom Conselho (Agreste de Pernambuco) / Alexandre Gondim/JC Imagem
Fábrica da BRF, em Bom Conselho (Agreste de Pernambuco)
Alexandre Gondim/JC Imagem
Da Editoria de Economia

A BRF assinou acordo com a Parmalat S.P.A (empresa controlada pelo grupo francês Lactalis) para a venda da sua divisão de lácteos, que inclui 11 fábricas no Brasil, além das marcas Elegê e Batavo. O valor da transação foi calculado em R$ 1,8 bilhão, mas poderá sofrer ajustes. No pacote de ativos vendidos está a fábrica da BRF em Bom Conselho (Agreste de Pernambuco), inaugurada em 2009 como a primeira unidade de lácteos da companhia no Nordeste. A notícia foi bem recebida por representantes da cadeia produtiva do leite no Estado.

A BRF investiu R$ 150 milhões na fábrica Pernambucana, que começou sua produção comercial em junho de 2009 com foco apenas no leite longa vida e depois ampliou a linha de produtos, incluindo achocolatados, fermentados, iogurtes e bebidas lácteas. A unidade é uma das maiores indústrias captadoras de leite da bacia leiteira do Estado, com capacidade para processar 200 mil litros de leite por dia.

“Com essas aquisições da BRF, a Lactalis será a segunda maior indústria de leite do Brasil se aproximando da Nestlé. A chegada da empresa dará um impulso à profissionalização do setor. O consumidor ganha porque a companhia está interessada em conquistar o mercado brasileiro e vai apostar em inovação e novas tecnologias. Também será bom para a bacia leiteira porque se trata de uma empresa série e de grande porte, que poderá os momentos ruins do setor em Pernambuco”, observa o presidente da Leite Betânia, Bruno Girão. Sediada no Ceará, a Betânia tem fábrica no município de Pedra, no Agreste pernambucano.



O empresário lembra da quantidade de revés que a cadeia leiteira do Estado vem sofrendo nos últimos anos. A compra da Cilpe pela italiana Parmalat era aposta de melhoria da atividade, mas a empresa entrou em dificuldades financeiras e foi vendida para a Bom Gosto. Depois, a Bom Gosto se fundiu com a LBR (Lácteos Brasil) e também entrou em dificuldade. Hoje, está em processo de recuperação judicial e de venda dos ativos (inclusive a fábrica de Garanhuns), que está fechada e devendo aos produtores de leite da região.

“Nossa aposta é que essa nova empresa melhore a atividade na bacia, fazendo parcerias com os produtores, pagando um preço melhor pelo leite e privilegiando o produto de qualidade”, defende o presidente do Sindicato dos Produtores de Leite de Pernambuco (Sinproleite), Saulo Malta.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM