Jornal do Commercio
pesquisa

Grupo cria instrumento musical digital

BateBit Artesania Digital desenvolve instrumentos que geram sonoridades a partir de programação computacional

Publicado em 08/11/2014, às 08h33

Calegario (E) e Tragtenberg levaram experimento ao Nascedouro de Peixinhos / Sérgio Bernardo/JC Imagem
Calegario (E) e Tragtenberg levaram experimento ao Nascedouro de Peixinhos
Sérgio Bernardo/JC Imagem
Renato Mota

Chips, placas, sensores, microcontroladores, linguagem de programação... Normalmente, esses itens não compõem a matéria-prima de instrumentos musicais. Mas o pessoal do BateBit Artesania Digital (batebit.cc) não quer nem saber de cordas, madeira e captadores de som – eles querem mesmo é fazer música com tecnologia digital.

O projeto é fruto da pesquisa Diálogos entre a Lutheria Digital e a música popular pernambucana, realizada com o incentivo do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura) pelos pesquisadores Filipe Calegario, Jerônimo Barbosa e João Tragtenberg. A ideia é produzir três instrumentos musicais digitais até o final do ano.

“Nosso histórico vem desde a academia, onde sentíamos que existia uma barreira entre o que era estudado e experimentado na universidade e o que o povo realmente usava nas ruas”, explica Calegario, que é estudante de doutorado do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (CIn-UFPE). Para fazer essa ponte, os pesquisadores realizaram entrevistas com músicos e artistas pernambucanos e iniciaram um processo de experimentação e prototipagem a partir desses relatos.



“O foco é no instrumento digital, não trabalhamos com a parte analógica do sinal sonoro. O instrumento não gera a nota, quem faz isso é a programação que usamos para manipular o som”, conta Calegario. O grupo promoveu na última semana um curso de Experimentação e Criação de Instrumentos Musicais Digitais, no Centro Tecnológico da Cultura Digital, no Nascedouro de Peixinhos. No workshop, a principal ferramenta foi a plataforma eletrônica Arduino. “Como o som gerado é digital, temos uma liberdade maior para experimentar. Da mesma forma que utilizamos o Arduino, outros instrumentos que criamos usam o sensor Kinect ou o controle de movimento do Nintendo Wii”, lembra Tragtenberg.

À primeira vista, o som gerado pelos instrumentos pode não parecer o melhor. A impressão que se tem é que está sendo executada uma sinfonia de jogos de videogame antigos. Mas para os pesquisadores, isso não importa. “No instrumento digital, existe uma dissociação entre a entrada e a saída. O resultado não depende do tipo de madeira ou de corda utilizada, e sim da programação. Esse som mais quadrado serve para testarmos, com o instrumento finalizado é só trocar para um som mais encorpado”, afirma Calegario.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM