Jornal do Commercio
Porto Digital - 15 anos

Com quantas empresas de TIC se constrói um parque tecnológico?

Na quarta matéria da série especial, conheça as empresas que ajudaram o Porto Digital a crescer - ou que cresceram junto com ele

Publicado em 25/11/2015, às 05h56

Ezequiel Jordão, da Procenge, está no mercado há mais de 40 anos, e foi um dos primeiros a embarcar no Porto Digital / Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Ezequiel Jordão, da Procenge, está no mercado há mais de 40 anos, e foi um dos primeiros a embarcar no Porto Digital
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Renato Mota

Algumas datas ficam marcadas na história e por isso lembramos o que estávamos fazendo naquele dia. Como quando o homem pousou na Lua, ou quando John Kennedy foi morto. Ítalo Nogueira, por exemplo, lembra o que fez em 11 de setembro de 2001, dia dos ataques terroristas às Torres Gêmeas, em Nova York. “Foi o dia em que Fábio Silva me apresentou o Porto Digital”.  

Na época, Nogueira – diretor presidente da CMTech – estava finalizando uma reforma numa sala comercial onde iria se instalar, em Boa Viagem, quando foi procurado pelo então presidente do Núcleo de Gestão do Porto Digital. “Apesar do gasto grande que tivemos com a reforma, já no início de 2002 começamos a planejar nossa mudança para o Bairro do Recife. Em 2003 estávamos instalados na Rua da Guia, fomos um dos primeiros desbravadores”, lembra. 

A CMTech hoje é uma das empresas de TIC que mais cresce no País, com um faturamento anual de R$ 28 milhões e expectativa para crescer 20% no próximo ano, mesmo com a crise econômica. “Desde o início, aproveitamos muito a sinergia criada pela proximidade entre as empresas do Porto Digital. O grande ativo desse ecossistema, e que nos ajudou muito nesse crescimento foi o network – pessoas boas e com mais experiência criaram um círculo virtuoso que segue até hoje”, acredita Nogueira. A fórmula que funcionou para os “iniciantes” da CMTech também deu certo para os veteranos da Procenge, a empresa mais antiga em atividade no parque tecnológico, bem como uma das primeiras a embarcar no projeto. “Sempre fomos muito ligados nas articulações que aconteciam entre as empresas de TIC locais, principalmente através da Softex Recife. Então quando o Porto Digital surgiu, viemos para o Bairro do Recife antes mesmo do NGPD”, conta Ezequiel Jordão, sócio e diretor Administrativo/ Financeiro da empresa.

Com 43 anos de estrada, a Procenge a surgiu como um spin-off da Astep, empresa que incluía profissionais do Departamento de Estradas e Rodagem (DER) de Pernambuco, considerado na época o de melhor corpo técnico do País. “A Astep, uma empresa de engenharia, montou um departamento de TI interno, que em 1972 ganhou vida própria. No começo fazíamos softwares sob demanda e, posteriormente, funcionamos como bureau de serviços, principalmente para agências bancárias. Fomos nós, inclusive, que criamos o serviço de transferência bancária e vendemos para os principais bancos do Brasil, que hoje são a Transferência Eletrônica Disponível (TED) e o Documento Ordem de Crédito (DOC)”, afirma Jordão.

O Recife então já tinha um cluster de empresas de TIC que desenvolviam softwares usados por grandes companhias, mas faltava uma “marca” que transmitisse a ideia de que a cidade tem um polo de tecnologia forte. “Tínhamos reuniões de vendas para apresentar nossos produtos em outros estados e não acreditavam que éramos do Recife. Hoje, se falamos que somos daqui, já associam ao Porto Digital, quase que como um selo de qualidade”, diz o diretor da Procenge. 

Se com 15 anos de atividade, o parque tecnológico consegue dar credibilidade aos seus membros, no início da sua vida, ele precisou de o apoio dessas empresas mais antigas. Fundamental nesse processo de sedimentação do Porto Digital está o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar), uma das empresas âncoras do parque, criado em 1996 dentro do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). “O setor de TIC estava se desenvolvendo e percebíamos esse potencial, mas faltava um ator que pudesse nos conectar com o governo, tanto estadual quanto municipal”, conta o superintendente do Cesar, Sérgio Cavalcante. “Quando o Porto Digital começou a ser pensado, fomos um dos primeiros convidados a participar. Com a nossa entrada, outras empresas que estavam incubadas conosco – e que hoje são grandes no mercado – como a Neurotech e a Tempest, também foram. Estávamos mandando o recado que o parque tecnológico não era só uma ideia, mas estava sendo executado e o Cesar acreditava naquele projeto”, completa.



O Cesar saiu do CIn-UFPE, mas a universidade continuou sendo o principal fornecedor de mão-de-obra para as empresas instaladas no Porto Digital. De acordo com o diretor do CIn, André Santos, a relação com o parque tecnológico tem sido simbiótica: cria um mercado para absorção dos alunos e ao mesmo tempo viabiliza a criação de novas startups baseadas nos projetos de conclusão de curso. Para aproximar empresas e academia, o CIn e o Porto Digital estão trabalhando na construção de um espaço de coworking dentro da UFPE que estará em funcionamento no ano que vem. “Isso nos dará a possibilidade tanto de ter um maior acesso de empresários e investidores ao Centro como estaremos também desenvolvendo soluções que estarão mais próximas às demandas do mercado”, conta Santos.

A história da Athivia e do Porto Digital também se confudem. Para os criadores do negócio, focado nas práticas de governança de TI, ele e o parque tecnológico amadureceram juntos. A empresa, que também está fazendo 15 anos, materializa o conhecimento e a vocação dos sócios, condição oferecida pelo local para as startups que surgem por lá, segundo Edmundo Godoy, sócio-fundador. 

Hoje, a Athivia conta com 16 consultores sênior e negócios realizados em cinco Estados do País. A despeito do cenário de crise, Godoy tem uma visão otimista sobre as perspectivas da empresa para o ano que vem. Segundo ele, os projetos incubados no parque tecnológico tem o poder de trazer a inovação essencial em tempos difíceis na economia. "O setor de tecnologia ajuda a fazer mais com menos, isso é primordial. O planejamento é a porta para sair de uma situação de crise, o tempo é de analisar cenários. O Porto Digital potencializa isso por ser um polo de geração de empregos e um celeiro de formação de mão de obra".

ECONOMIA CRIATIVA

Os tablets começavam a chegar ao mercado nacional de maneira mais massiva em 2010, quando o Porto Digital completava 10 anos. Na época, o potencial do aparelho chamou a atenção dos sócios Chaps Melo e Felipe Almeida, que enxergaram ali a possibilidade de criar um conteúdo digital infantil para dispositivos móveis. Surgia então a Mr. Plot, empresa que faz parte da primeira turma da incubadora do Porto Mídia, braço de economia criativa do parque tecnológico. Atualmente, o Mundo Bita, desenho criado pela empresa pernambucana, é um dos principais cases de sucesso do mercado audiovisual brasileiro. Agora, além das telas dos tablets, o desenho educativo ganhou espaço também na tv por assinatura, Netflix e passa por um processo de internacionalização.

De acordo com Felipe Almeida, um dos sócios da Mr. Plot, a ideia é lançar um álbum musical por ano e levar o desenho à países da Europa, América Latina e América do Norte. “No parque tecnológico tivemos benefícios diversos, suporte, assessoria de imprensa, jurídica, consultoria empresarial. Além de tudo, o selo do Porto Digital sempre nos deu um respaldo muito grande por onde passamos”, conta Felipe.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM