Jornal do Commercio
suape

Racha sindical exposto por conflito na Refinaria Abreu e Lima

Nas imediações da principal obra do Estado, tiros, feridos e muito tumulto. Tudo é consequência de uma briga interna

Publicado em 08/08/2012, às 21h46

 / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Adriana Guarda e Felipe Lima

A história se repete em Suape. Pelo segundo ano consecutivo, as obras da Refinaria Abreu e Lima (Rnest) e da PetroquímicaSuape (PQS) se transformam em cenário de guerra. Na manhã desta quarta (8), ao invés de segurar as rédeas do movimento, os representantes do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada (Sintepav) foram apedrejados pelos operários.

A assembleia, que deveria terminar com o retorno ao trabalho, acabou com mais um dia de obra paralisada e um saldo de violência e vandalismo. A situação expõe, mais uma vez, a fragilidade da liderança do Sintepav em Pernambuco. Diante do confronto, as empresas decidiram mandar os funcionários para casa. Hoje, o Sintepav não vai voltar ao canteiro e deixou para cada trabalhador a decisão de encerrar a greve ou arcar com demissões.

Com o racha violento na categoria, o Sindicato Nacional das Empresas de Construção Pesada (Sinicon) resolveu conclamar os operários decididos a cumprir a decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) e encerrar a greve, iniciada desde o último dia 1º e julgada ilegal.

Para tanto, solicitaram oficialmente à Secretaria de Defesa Social (SDS) reforço na segurança. “É uma convocatória para os pais de família, para aqueles que não concordam com vandalismo, com essa barbárie. Não fiquem passivos, assumam seus postos de trabalho”, fez o apelo a advogada da entidade, Margareth Rubem.



Sem quantificar, ela afirma que um dia de obra parada representa “milhões perdidos” para as empresas. A SDS não informou quantos homens vai disponibilizar esta quinta (9), quantos foram mobilizados quarta ou sequer o número oficial de detenções durante o conflito.

Escanteado nas negociações salariais do ano passado, que contou com reforço da Federação e Confederação dos Trabalhadores na Construção Pesada, o presidente do Sintepav, Aldo Amaral, lamentou os atos de vandalismo e afirmou que existe uma disputa política entre as lideranças sindicais. “O PSTU, que é ligado ao Conlutas, tenta dividir a categoria, distribuindo panfletos afirmando que Pernambuco tem um dos piores salários do Brasil e pleiteando um reajuste de 15%”, destaca.

A Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas) rebateu as denúncias em tom elevado. Declarou apoio “integral” ao movimento dos operários, mas negou ter comandado a paralisação violenta da semana passada e a quebradeira generalizada de quarta.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

“O Sintepav-PE faz acusações falsas, levianas e mentirosas. O que os trabalhadores querem são melhores condições de trabalho. Tudo que aconteceu foi gerado por insatisfações da base, que está jogada em galpões ou em casas onde moram 10, 20 pessoas amontoadas. Em vez de atender as reivindicações dos operários, o Sintepav-PE é ausente e só faz acordo com as empresas. É um revolta acumulada há muito tempo contra uma entidade que não cumpre o seu papel”, endureceu a representante da executiva estadual da CST-Conlutas, Cláudia Ribeiro.

No acordo de convenção coletiva aprovado pelo Sintepav e Sinicon ficou acertado um reajuste salarial de 10,5%, além de 30% de aumento no valor do vale-alimentação e folga nos dias de pagamento. Apesar de considerar o acordo positivo, os trabalhadores alegam que a proposta foi aprovada numa assembleia sem legitimidade, só com uma minoria.

Diante da ferida exposta no maior empreendimento de Pernambuco, o governo do Estado escalou a Secretaria de Articulação Social e Regional para ajudar a apagar o incêndio. Na noite desta quarta, o secretário executivo de Articulação e Relações Sociais, Érico Menezes, além da gerência de assuntos estratégicos da pasta, receberam o presidente do Sintepav-PE, Aldo Amaral, para uma reunião.

O objetivo é tentar começar a entender o que está ocorrendo no canteiro da Rnest e encontrar formas de mediar a conturbada relação entre sindicato e trabalhadores. O procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho em Pernambuco (MPT-PE), Fábio Farias, voltou a apontar como principal motivo para o conflito uma “crise de legitimidade” do Sintepav-PE perante a categoria.

Leia mais na edição desta quinta do
JC





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM