Jornal do Commercio
Modismo?

Os negócios da onda bike

Ciclofaixas implantadas no Recife e nova tendência da classe média aquecem movimento nas lojas de bicicletas e acessórios

Publicado em 30/03/2013, às 07h26

Do JC Online

A designer Simone Gueiros vai com frequência ao Rio de Janeiro. Na cidade maravilhosa, um de seus programas favoritos é passear de bicicleta com as amigas, do Botafogo ao Leblon pelas ciclofaixas móveis. A cidade há anos fecha o trânsito de automóveis em avenidas importantes em favor do lazer da população, a exemplo da Vieira Souto em Ipanema. Agora que o Recife adotou o modelo, com 22 quilômetros de via exclusiva para bicicletas aos domingos e feriados, Simone se animou pra comprar uma bicicleta para fazer o mesmo em sua terra natal. O entusiasmo é tão grande para esse feriado de Páscoa que ela gastou quase o dobro do que tinha planejado para investir numa bike. “Achei que ia gastar R$ 500, mas vou ficar com um modelo de R$ 900. É mais confortável”, explicou.

O novo cliente que procura bicicletas de entrada com uma qualidade melhor aumentou o movimento das lojas especializadas. São pessoas como Simone, que gostam de andar de bicicleta mas precisavam ir para outros locais longe do Recife para dar uma agradável pedalada de final de tarde. “Desde a abertura da ciclofaixa notamos um crescimento de 20% nas vendas em relação às semanas anteriores, quando ainda não havia essa opção na cidade”, atesta o gerente de vendas Aurélio Ferreira Junior, da Impacto Bike, ponto de venda bastante conhecido da Avenida Norte, em Casa Amarela.

Este final de semana de Páscoa é o segundo depois que a Prefeitura do Recife implantou o sistema de ciclofaixa móvel, que sai da Estrada do Encanamento, passando por corredores importantes como Estrada do Arraial, Rosa e Silva em direção ao Marco Zero de lá ligando à Rota Sul, que segue pelo Cais José Estelita e Avenida Boa Viagem, até o Parque de Dona Lindu, num circuito de 22 quilômetros. Nas lojas o faturamento não aumentou apenas nas vendas. A parte de serviços também ficou lotada. “O pessoal está tirando a bike da garagem e colocando na revisão”, salienta o comerciante. Dependendo do local, uma revisão da bicicleta que inclui lubrificação, limpeza e regulagem é um serviço que custa entre R$ 20 e R$ 50.



“Só falta ciclofaixa na Avenida Norte”, reclama Ferreira Júnior. Boa parte de seu público consumidor são os moradores das redondezas de Casa Amarela, um público fiel ao modelo de transporte mais barato e saudável. Na loja, que tem bicicletas com valores de até R$ 15 mil, as chamadas siris, as bicicletas de passeio mais baratas, em torno de R$ 300, são responsáveis pela maior parte de seu movimento. “Num sábado de bom movimento vendemos 30 delas”, conta.

Apesar do apelo cada vez maior das bicicletas, nas lojas especializadas em modelos de maior performance, a abertura da ciclofaixa móvel não alterou seu movimento. Esses pontos estão consolidados há anos e experimentam demanda crescente há quase duas décadas. Para o comerciante do segmento há 23 anos Carlos Henrique Giese, da Rota da Natureza, no Pina, o boom se deu no final da década de 90, com a estabilização da economia e abertura de mercado para modelos top de linha produzidos no exterior. “Foi nessa época que surgiu a hoje extinta Sundown, foi quando a Caloi se recuperou e entrou novas empresas no mercado. É dessa época que se difundiu ainda mais a ideia da ecologia, do meio de transporte não poluente, dos benefícios físicos e mentais, dentro da cultura do No Stress. O que vemos hoje é consequência disso”, opina.

Para Giese, que já tem seu mercado consolidado, movimentos como o das ciclofaixas móveis ainda não surtiram efeito e é encarado como um movimento sazonal. “Já tenho meu crescimento estabilizado e a ciclovia aos domingos para mim é um efeito de sazonalidade, e não como um movimento perene. Podemos compará-lo ao Dia das Crianças e o Natal, quando as vendas de modelos infantis batem no teto”.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();