Jornal do Commercio
Infraestrutura

Transnordestina cada vez mais estatal

Já dono de 37,4% da concessionária, governo empresta mais dinheiro ao negócio, tendo como garantia novas ações da companhia

Publicado em 23/08/2014, às 05h54

Sem receita própria, ferrovia depende de mais dinheiro de acionistas e empréstimos /
Sem receita própria, ferrovia depende de mais dinheiro de acionistas e empréstimos
Giovanni Sandes

A Transnordestina Logística S.A. (TLSA), concessionária à frente da Ferrovia Transnordestina, é da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Mas nem tanto. Como a TLSA só vai faturar quando transportar cargas, a explosão do orçamento e os atrasos sem um trem em atividade forçou um socorro da gestão Dilma Rousseff não mais com empréstimo. O governo virou sócio de uma fatia relevante da concessionária: este ano chegou a 37,4%. E pode vir mais, caso o atraso de 6 anos se prolongue. A Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) vai liberar até o fim do ano a primeira parcela de R$ 500 milhões de um novo empréstimo, de R$ 1,2 bilhão. Caso a TLSA permaneça sem fatura, a garantia é mais ações para o governo.

A concessão foi assinada em dezembro de 1997. Mas a ferrovia de 1.753 quilômetros de extensão só começou a ser construída em 2006, orçada em R$ 4,5 bilhões e com prazo para dezembro de 2010.

Na primeira gestão Dilma, quando o orçamento já era de R$ 5,4 bilhões, a fatia do governo na Transnordestina era cerca de 10% – somando Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), BNDESPar, seu braço de participações, e o Finame, de crédito para máquinas e equipamentos. Já haviam sido gastos R$ 3 bilhões e o dinheiro começou a faltar.

“A companhia vem apresentando prejuízos constantes nos últimos exercícios sociais, o que gera a necessidade de ingressos de recursos por parte dos acionistas e de terceiros para o financiamento de suas operações. Esse ciclo deverá continuar até que as receitas oriundas das atividades da companhia sejam suficientes para atingir o equilíbrio financeiro necessário”, descreve o relatório da Transnordestina sobre seus números em 2011. No final daquele ano, o governo socorreu a TLSA com a estatal Valec, que comprou 10,2% e entrou no negócio.

Hoje o orçamento da obra é divulgado em valores de 2012, R$ 7,54 bilhões. Mas só a inflação oficial joga a cifra para R$ 8,5 bilhões. Sem contar que o mercado dá como certo: a obra não sai por menos de R$ 10 bilhões. 



Diante desses e novos problemas, para fechar a conta a Valec já comprou mais participação na TLSA e foi a 25,6%. A fatia total do governo bateu 37,4%. 

Mas a necessidade de injeção constante de dinheiro dos sócios e o orçamento desatualizado devem mudar o quadro.

SUDENE

Com o novo crédito de R$ 1,2 bilhão da Sudene, o Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE), gerido pela autarquia, chega a 51,4% das fontes de dinheiro para a Ferrovia Transnordestina – ao menos considerando o orçamento desatualizado, a valores de 2012. A operação de crédito é normal no mercado financeiro. Chama-se emissão de debêntures conversíveis em ações – em português claro, caso o dinheiro não seja pago, quem empresta vira sócio.

O governo reforça que vai fiscalizar a aplicação dos recursos, para liberar as parcelas. “A Sudene deverá fazer um acompanhamento in loco até o final deste exercício”, diz Henrique Tinôco, diretor de gestão de Fundos, Incentivos e Atração de Investimentos.

Segundo ele, a Transnordestina está com 40% das obras prontas. Ainda assim, o governo prevê a conclusão da ferrovia até o fim de 2016. A estrada de ferro começa em Eliseu Martins, no Piauí, e segue até Salgueiro, de onde se bifurca para Pecém, porto no Ceará, e Suape, em Pernambuco. No trecho cearense, quase nada andou.

Após uma troca de construtoras, este ano as obras foram retomadas em fevereiro, informa a Sudene, com 3 mil trabalhadores e 700 equipamentos em Pernambuco e no Piauí.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM