Jornal do Commercio
INFRAESTRUTURA

Trecho cearense da Ferrovia Transnordestina avança primeiro

Ministros assinaram, na semana passada, a ordem de serviço para a construção de 150 km do empreendimento no Ceará

Publicado em 28/10/2014, às 09h00

Ferrovia Transnordestina está se tornando uma realidade no Ceará / Guga Matos/ JC Imagem
Ferrovia Transnordestina está se tornando uma realidade no Ceará
Guga Matos/ JC Imagem
Do JC Online

O governo federal decidiu acelerar as obras no trecho cearense da Ferrovia Transnordestina. O empreendimento começa na cidade de Eliseu Martins, no Sul do Piauí, e segue até Salgueiro, dividindo-se em dois trechos que vão para os portos de Pecém, próximo à Fortaleza (capital do Ceará) e Suape, no litoral Sul do Estado. Na quarta-feira da semana passada, os ministros do Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, e da Integração Nacional, Francisco Teixeira, assinaram, na cidade de Missão Velha, a ordem de serviço para a construção de mais 150 quilômetros do trecho cearense Missão Velha-Pecém. “Em Pernambuco, a obra está totalmente parada. Não me cabe responder se está havendo uma retaliação do governo federal ao Estado”, afirma o secretário estadual de Desenvolvimento, Márcio Stefanni, ao ser questionado se essa retomada da obra ocorreu no Ceará pelo fato de o atual governador de Pernambuco e o eleito, João Lyra Neto e Paulo Câmara (ambos do PSB), terem apoiado Aécio Neves (PSDB) na eleição para presidente no último domingo, quando a presidente Dilma Rousseff (PT) foi reeleita.

Segundo o secretário, o único movimento que está ocorrendo com relação à implantação da ferrovia em Pernambuco é a retomada da fábrica de dormentes, reativada em Salgueiro recentemente. A unidade estava parada desde o ano passado, quando as obras foram paralisadas.

Os 150 km de ferrovia que serão construídos no Ceará vão passar pelos municípios de Iguatu, Aurora, Icó, Lavras da Mangabeira, Cedro e Acopiara. Os 96 km que ligam Salgueiro, em Pernambuco, a Missão Velha estão concluídos desde o ano passado, de acordo com a União.



Márcio Stefanni diz que o Estado continua aguardando ansiosamente a implantação da ferrovia, que “é fundamental” para melhorar a infraestrutura existente em Pernambuco junto com outras obras como o Arco Metropolitano (que será feito com recursos federais construindo uma alça entre Suape e Goiana, passando por fora da BR-101) e a licitação para o segundo terminal de contêineres do Porto de Suape.

As obras da Transnordestina são realizadas pela empresa Transnordestina Logística S.A (TLSA), que tem à frente o grupo da Companhia Siderúrgica Nacional. Segundo a assessoria de imprensa da TLSA, a companhia totaliza 420 km de superestrutura (onde já foram colocados os trilhos, dormentes e brita) em Pernambuco, sendo que mais de 100 km foram “lançados no ano de 2014 entre os municípios de Parnamirim e a localidade de Nascente”. A assessoria não explicou quais são os municípios pernambucanos que receberam os outros 300 km das obras. Ainda de acordo com a empresa, há três canteiros de obra em Pernambuco localizados em Salgueiro, Nascente e Arcoverde.

 

A ferrovia terá 1.753 km e vai passar por 29 municípios no Ceará, 19 no Piauí e 35 em Pernambuco. O empreendimento também prevê a construção de terminais para receber a carga nos dois portos. Nesse caso, Pecém é considerado um terminal privativo, tendo autonomia para aprovar o projeto de construção dos terminais.
Já o Porto de Suape é enquadrado (pelo governo federal) como porto organizado e a administração estadual não tem autonomia para implantar novos terminais devido a uma lei sancionada pelo governo federal no meio do ano passado. Inicialmente, os terminais de Suape deveriam ser licitados pelo governo federal no ano passado, o que não ocorreu. Além de Suape, a nova lei prejudicou outros portos, como o de Santos (SP), Belém do Pará, Paranaguá, Salvador e Aratu.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM