Jornal do Commercio
INOVAÇÃO

José Carlos Cavalcanti propõe uma forma nova de analisar o crescimento das empresas

Na opinião dele, a governança, a forma como a Tecnologia da Informação (TI) estão estruturadas refletem no crescimento das empresas

Publicado em 08/02/2015, às 09h00

José Carlos Cavalcanti publicou um livro em inglês numa editora americana / Hélia Scheppa/ JC Imagem
José Carlos Cavalcanti publicou um livro em inglês numa editora americana
Hélia Scheppa/ JC Imagem
Do JC Online

Um novo modelo de analisar as corporações é a principal proposta do livro Efeitos da Tecnologia da Informação (TI) na Arquitetura, Governança e Crescimento das Empresas, lançado (por enquanto somente em inglês) e de autoria do professor do Centro de Informática (CIn) e do Departamento de Economia da Universidade Federal de Pernambuco José Carlos Cavalcanti, também consultor na área de TI. “O livro traz para a literatura coisas que estavam dispersas, mostrando como se organizam as empresas do século XXI que são planetárias e a sua evolução”, conta.

Segundo ele, esse método de analisar as empresas é interdisciplinar e junta “as visões” de conhecimento em pelo menos três áreas diferentes: economia, administração (incluindo gestão) e TI. O modelo proposto pelo professor leva em consideração a arquitetura das empresas, a governança e a forma como está estruturada a TIC. Nesse conceito, arquitetura inclui duas dimensões: a corporativa (planejamento, compras, produção etc) e a estrutura de TI. Já a governança é formada por um conjunto de ferramentas necessárias à tomada de decisões. “Por exemplo, a governança inclui a competência técnica dos gestores. O problema da Petrobras (do desvio de milhões da estatal) reflete a falta de uma governança corporativa sólida. Quando ela é implantada, as decisões são tomadas em consonância”, diz.

A publicação tem 14 capítulos que falam sobre a governança corporativa, como a estruturação na área de TI reflete no crescimento empresarial e a contribuição que a gestão da inovação traz ao crescimento das organizações. “Nos países desenvolvidos, as grandes empresas estão estimulando o empreendedorismo dentro delas, adotando as ideias inovadoras dos funcionários”, diz.



Ainda no livro, José Carlos argumenta que uma das formas de ser competitivo é desenvolver ecossistemas que produzam plataformas globais em arquiteturas de negócios extremamente sofisticadas. “Por exemplo, a Apple fez um acordo com a Samsung para a segunda desenvolver a memória dos seus produtos. Elas fazem uma plataforma para dominar o mundo e depois disso cada um desenvolve o seu produto”, conta.

O livro pode ser comprado no site da Amazon, da Livraria Cultura e da Editora americana IGI Global (www.igi-global.com), que lançou a publicação nos Estados Unidos. No site da editora, custa US$ 156 (R$ 427) a versão impressa e US$ 148 a digital. Não há previsão do lançamento em português.

O embrião do livro foi um artigo sobre gestão da inovação com ênfase em TICs apresentado pelo professor em 2008 em São Paulo. Depois, ele traduziu o artigo (em inglês) para participar de uma conferência em Portugal. “Daí surgiu o convite da Editora IGI Global para a publicação de um capítulo em um livro publicado nos Estados Unidos e posteriormente o pedido para transformar o capítulo num livro”, conclui.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM