Jornal do Commercio
INFRAESTRUTURA

Obras da Ferrovia Transnordestina avançam no sentido do Ceará

Empreendimento deveria ter dois ramais que chegariam, ao mesmo tempo, nos Portos de Suape e de Pecém, próximo a Fortaleza

Publicado em 02/09/2015, às 08h00

As obras da Ferrovia Transnordestina estão avançando mais no lado cearense / Diego Nigro/JC Imagem
As obras da Ferrovia Transnordestina estão avançando mais no lado cearense
Diego Nigro/JC Imagem
Da Editoria de Economia

A crise é a mesma em todo lugar, mas na última sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff (PT) começou uma reunião com empresários em Fortaleza, no Ceará, assinando uma ordem de serviço para a construção de 51 quilômetros da Transnordestina que se inserem no trecho Missão Velha-Pecém da Ferrovia, ligando o sertão do Ceará ao litoral daquele Estado. No traçado original, a Transnordestina deveria seguir, simultaneamente, para os portos de Pecém, próximo a capital cearense, e o Porto de Suape. Serão gastos R$ 292 milhões para a implantação dessa parte do empreendimento, segundo informações do Ministério dos Transportes. “As obras estão caminhando mais para o Ceará. Isso é preocupante, porque uma ferrovia interligada à Suape daria um novo ar de esperança ao povo de Pernambuco”, lamenta o secretário estadual da Fazenda, Marcio Stefanni, numa entrevista ao radialista Geraldo Freire da Rádio Jornal. 

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico também argumenta que “é preocupante” as obras estarem avançando mais no trecho cearense e que os relatórios de acompanhamento da obra mostram isso, embora elas estivessem mais adiantadas em Pernambuco até o ano passado. Na eleição presidencial de 2014 algo mudou no cenário político. O então governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), passou para a oposição e o atual governador Paulo Câmara está do mesmo lado. Em fevereiro deste ano, assumiu a presidência da Transnordestina Logística S.A. (TLSA) o ex-governador do Ceará e ex-ministro, Ciro Gomes.

 

JC-ECO0902_TRA01_TRANSNORDESTINA1_WEB

Aos poucos, a opção pelo lado cearense vai se consolidando. A Ferrovia Transnordestina já tem um terminal de cargas em Pecém, o TUP de uso privado da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). A CSN é a dona da TLSA, uma empresa privada nascida para gerenciar as obras da Transnordestina, uma parte bancada pelo próprio grupo e outra por recursos estatais, como fundos do antigo Finor, financiamentos etc. 



Ao ser questionado sobre as obras não avançarem em Pernambuco, Ciro Gomes resumiu a resposta em praticamente dois grandes itens que são impedimentos e a falta de um terminal privado para receber as cargas da ferrovia em Suape. Na lista dos impedimentos estão: a decisão judicial impedindo a demolição de uma igrejinha em Custódia, uma mudança num dos projetos executivos em que o local a ser cortado pelos trilhos receberá a Barragem Serro Azul (em Palmares), a desapropriação estimada de 1,2 mil famílias numa área antes da ferrovia chegar a Suape, entre outras. 

Já com relação ao terminal privado, Gomes diz ser necessário uma equação para atrair sócios que cheguem a Suape e a empresa precisa levantar R$ 3 bilhões para concluir as obras da Ferrovia. “E para levantar o dinheiro, precisamos de uma definição de um terminal de Suape, que é um porto federal e o governo federal está num momento bom, fazendo tudo com muito agilidade”, afirma. Ele alega que o fato de dizer que a Transnordestina não está vindo para Suape é uma “futrica paroquial” e que está continuando o que já estava licitado quando chegou à empresa.

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Thiago Norões, diz que o terminal que vai receber a carga da Transnordestina é um dos que serão licitados pela segunda etapa do Programa de Investimentos em Logística (PIL) previsto para ter o seu leilão de concessão realizado no primeiro semestre de 2016. Ele alega que estão sendo resolvidas as pendências citadas por Gomes.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM