Jornal do Commercio
INFRAESTRUTURA

Ferrovia faz falta à economia do Nordeste

A falta do serviço impacta os custos das empresas da região como o polo gesseiro e o setor de avicultura

Publicado em 04/07/2016, às 08h01

Antonio Laercio de Almeida, da MP Gesso, fala das vantagens que a ferrovia pode trazer ao polo do Araripe / Diego Nigro/ JC Imagem
Antonio Laercio de Almeida, da MP Gesso, fala das vantagens que a ferrovia pode trazer ao polo do Araripe
Diego Nigro/ JC Imagem
Angela Fernanda Belfort

A Ferrovia Transnordestina faz falta à economia do Nordeste, principalmente aos setores que dependem de um transporte mais barato para aumentar a sua produtividade ou se expandir. Em média, o transporte ferroviário corresponde a 30% do preço do frete cobrado nas estradas.

O caso do polo gesseiro é emblemático. Os empresários acreditam que poderiam dobrar a produção, de cerca de 3 milhões para 6 milhões de toneladas de gesso e derivados por ano, caso a região do Araripe – a 680 km do Recife – tivesse uma alternativa mais em conta para escoar os produtos. A brita de gesso, por exemplo, custa em média R$ 25 a tonelada, enquanto o frete para São Paulo fica por R$ 170.

O custo proibitivo da logística acaba restringido a distribuição de outras matérias-primas, como a gipsita, minério bruto do qual se extrai o gesso e que corresponde a 4% de todos os insumos usados pela indústria de cimento. “Só conseguimos atender as fábricas cimenteiras no Nordeste. O valor do frete rodoviário nos impede de chegar às outras regiões”, lamenta o presidente do Sindicato da Indústria do Gesso de Pernambuco (Sindusgesso-PE), Josias Inojosa Filho. “A Transnordestina deveria ter começado do Litoral para o Sertão, porque poderíamos utilizar os trens nos trechos implantados”, acrescenta. 

As obras do empreendimento foram iniciadas em 2006, mas só têm cerca de 600 km implantados dos 1.752 que ligariam a cidade de Eliseu Martins, no Piauí, aos portos de Pecém, no Ceará e ao de Suape. “Além de escoar a produção, os trens poderiam trazer combustíveis, como o gás natural ou o coque de petróleo”, diz o gerente da Mineração Pernambucana de Gesso, Antonio Laércio de Almeida.

Outro exemplo de como o transporte impacta a produção vem das empresas avícolas do Estado, as quais se concentram em cidades da Zona da Mata e do Agreste. Um dos principais insumos do setor é o milho, que vem do sul do Piauí (próximo de onde vai passar a Transnordestina), Maranhão, Tocantins e Bahia, lugares que estão a uma distância média de 1,2 mil quilômetros. “Pelas nossas contas, a ferrovia reduziria as despesas tanto com transporte de matéria-prima quanto com escoamento da produção a 30% do que gastamos hoje com o transporte rodoviário”, conta o presidente da Associação Avícola de Pernambuco (Avipe), Edival Veras.



Metade do que se consome de frango e ovos no Nordeste é comprado de produtores de outras regiões. “Poderíamos nos autoabastecer se saíssemos da rodovia para a ferrovia. É o custo Brasil. Pagamos mais pela ineficiência da infraestrutura e isso nos impede de crescer”, resume Edival. O setor voltou a comprar milho da Argentina, que chega de navio a Pernambuco, porque sai mais barato do que trazer, de caminhão, das outras regiões do País.

Alguns empresários desconfiam que mesmo quando a Transnordestina sair do papel, não terá um preço atrativo para alguns setores. A desconfiança é provocada pelo fato de que 80% da carga da ferrovia seria o minério de ferro. A empresa que está implantando a ferrovia, a Transnordestina Logística S.A. (TLSA) pertence ao grupo da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), do empresário Benjamin Steinbruck. O minério de ferro é a principal matéria-prima da indústria siderúrgica. “Quem garante que o frete desse minério não terá um preço privilegiado?”, questiona um empresário do setor gesseiro que prefere não se identificar. Especialista em parcerias que envolvem o setor público e o privado, a diretora da Consultoria Guimarães Ferreira, Ana Luíza Ferreira, sugere que, “como a ferrovia é uma concessão, poderiam ser acordados dispositivos definindo como seria a oferta dos serviços. Isso evitaria uma concentração vantajosa apenas para um setor”. Esse acordo teria que ser feito entre o governo federal (o dono da concessão), a concessionária (a TLSA) e os principais usuários do serviço. 

O IMPACTO QUE CHEGA AO BOLSO 

O consumidor nordestino paga até 50% a mais em custo de transporte do que o do Sul e Sudeste do País, porque aqui o produtor depende apenas das rodovias, segundo o coordenador do Núcleo de Infraestrutura, Supply Chain e Logística da Fundação Dom Cabral, Paulo Resende. Ele explica que um determinado produto vendido por R$ 100 tem uma despesa logística embutida de R$ 20 no Sudeste e no Sul, enquanto no Nordeste é de R$ 30. “A tendência é repassar esses R$ 10 a mais ao cliente final”, conta. Ele diz que a partir daí “ocorre uma lógica perversa” de repasse de custos que prejudica a todos. E resume: “Primeiro a indústria tenta repassar para o consumidor final ou para os seus fornecedores. E, por último, o setor industrial perde a capacidade de inovar e investir”, sofrendo uma concorrência “desleal” com os produtores das outras regiões, que dispõem de outros meios de transporte, além do rodoviário. 

Resende argumenta que o frete rodoviário no Nordeste tende a ficar mais caro do que o das outras regiões por um motivo muito simples: a falta de concorrência. Para ele, mais do que obras, a região precisa de inteligência logística. “Deveria ser feita uma revisão do potencial logístico integrando três soluções: os portos, as ferrovias e rodovias. O governo central (a União) não tem tradição em tratar as regiões de forma integrada. E os governos dos Estados brigam uns com os outros. Isso não leva a lugar algum”, resume. 

Mas o pior cenário, de acordo com Resende, é abandonar o que não chegou a funcionar. “Qualquer ruptura nesse projeto vai trazer um prejuízo grande ao Brasil inteiro. É chegada a hora de analisar estrategicamente se há a necessidade de um traçado diferente e concluir o que foi implantado”, comenta, referindo-se ao atual estágio da Ferrovia Transnordestina, na qual foram gastos R$ 6,2 bilhões. “O Nordeste não está sozinho nisso. Na questão ferroviária, o Brasil não se encontrou nem nas novas fronteiras do desenvolvimento, muito menos na interiorização da indústria.” 


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM