Jornal do Commercio
Comércio internacional

Ampliação do Canal do Panamá muda desenho do comércio mundial

Inaugurada em junho, ampliação permite a passagem de embarcações maiores

Publicado em 11/09/2016, às 07h00

Entre 35 e 40 navios passam todos os dias pelo Canal do Panamá / Divulgação
Entre 35 e 40 navios passam todos os dias pelo Canal do Panamá
Divulgação
Adriana Guarda

CIDADE DO PANAMÁ – Uma multidão estava lá. Os relógios panamenhos marcavam 7h45 (9h45 em Brasília) quando o navio chinês Cosco Shipping Panama inaugurou a travessia da ampliação do Canal do Panamá. A embarcação entrou pelo lado do Atlântico e saiu no Pacífico, na tarde daquele domingo (26/6/16). A data marca o início do redesenho do comércio marítimo mundial. Com capacidade para receber navios maiores, o Canal vai encurtar distâncias, diminuir o tempo de transporte de cargas e reduzir o custo para os armadores (empresas donas dos navios). As oportunidades também se abrem para os portos mundiais e o Brasil está atento. O Complexo de Suape é um dos interessados em adaptar sua infraestrutura para receber navios maiores e se transformar num porto concentrador de cargas.

A ampliação do Canal demorou nove anos e custou US$ 5,25 bilhões. Foram construídas duas eclusas (espécie de elevador de água para os barcos): Água Clara e Cocolí, que se juntaram as já existentes (Miraflores, Pedro Miguel e Gatún). As novas têm 55 metros de largura, permitindo a passagem de navios com até 366 metros de comprimento e 13 mil toneladas de capacidade. As eclusas antigas tinham 33 metros de largura e só permitiam a passagem de navios com até 294 metros e 5 mil toneladas.

COMPETITIVIDADE

“Isso significa economia para os armadores, porque antes era necessário realizar várias viagens em embarcações menores. Agora são usados os barcos gigantes neo panamax, uma mudança histórica de patamar no comércio mundial para as mercadorias que precisam passar por essas rotas. Além de possibilitar novos tipos de cargas, a exemplo do gás liquefeito de petróleo”, observa Carlos Ortega, guia do Canal do Panamá no centro de observação de Água Clara.






Hoje as principais embarcações que passam pelo Canal são as de contêiner, graneleiros, tanques e refrigerados. Os Estados Unidos e a China são os maiores clientes. O diretor­executivo da MC Log Projetos e Consultoria, Marcilio Cunha, diz que alguns armadores poderão encurtar caminho para as Américas, antes feito pelo Canal de Suez (no Egito). “É uma economia significativa de dinheiro e de tempo de navegação. O Brasil poderá se beneficiar com o transporte de grãos, por exemplo. Mas os portos nacionais precisam investir em infraestrutura, apostando na adaptação dos portos para receber embarcações maiores e na construção de novos terminais”, diz.

Para o Panamá, o Canal significa sua consolidação e ampliação de fatia no comércio mundial, que hoje é de 4%. “A soberania do canal é nossa, após 85 anos de administração dos EUA. Em 2006, 75% da população votou sim no referendo que discutiu a ampliação do Canal”, recorda Javier Pimentel, guia do Canal em Miraflores.

* A repórter viajou a convite da Copa Airlines


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas


jc-ECO0911_PANAMA-web



Comentários

Por Jorge Pereira,11/09/2016

esta matéria carrega erros no texto, exemplo: a informação de que os navios poderão carregar 13 mil toneladas está totalmente errado, são navios classe neopanamax que aumentaram a sua carga de de cinco mil para 13 mil contêineres e não toneladas, assim como a velocidade media de travessia não de 80 km/h, 80 km é um pouco mais do trajeto total.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM