Jornal do Commercio
POSTOS DE TRABALHO

Pernambuco lidera no emprego formal em setembro

Performance foi impactada pela moagem da cana-de-açúcar que emprega mais pessoas na indústria e no campo

Publicado em 27/10/2016, às 11h01

A moagem da cana-de-açúcar impactou no emprego formal de Pernambuco, segundo dados do Caged / Alexandre Gondim/ Jornal do Commercio
A moagem da cana-de-açúcar impactou no emprego formal de Pernambuco, segundo dados do Caged
Alexandre Gondim/ Jornal do Commercio
Da editoria de Economia

A moagem da cana-de-açúcar fez alguns Estados do Nordeste liderarem o saldo do emprego formal em setembro último, segundo os números divulgados ontem pelo Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. Pernambuco registrou um saldo de 15.721 empregos, o maior entre todas as unidades da federação e um crescimento percentual de 1,24%, perdendo apenas para Alagoas que apresentou um aumento de 3,89% e um saldo positivo de 13.395 postos de trabalho.

“A cana-de-açúcar gera renda que circula e deixa um resultado positivo na economia como um todo, mesmo sendo uma atividade sazonal”, explica o coordenador geral de Estatística do Ministério do Trabalho, Mário Magalhães. Em Pernambuco, a moagem da cana vai de setembro a março.

No mês passado, o setor sucroalcooleiro gerou mais 5.378 postos de trabalho em Pernambuco. “Esse setor também influencia as vagas de trabalho na indústria por causa da produção do açúcar refinado, do demerara e do álcool”, resume. A indústria de transformação instalada em Pernambuco registrou uma variação de 3,88% com um saldo de 8.184 postos. A agropecuária teve um incremento de 15,52% com 7.859 contratados a mais.



Para Mário, está ocorrendo uma recuperação do emprego formal no Estado, porque também apresentaram resultados positivos, embora modestos, alguns setores como os serviços (0,08% e o comércio (0,07%). 

No saldo de empregos formais setembro deste ano foi melhor do que o mesmo mês de 2015, quando o saldo de empregos do Caged ficou em 15.248, sendo o pior desempenho (para setembro) desde 2003. 

O Brasil perdeu 39.282 postos de trabalho em setembro último com um recuo de 0,10% sobre o mês anterior. Em setembro de 2015, o País registrou um saldo negativo de 95.602 postos. No Brasil, os dois setores que apresentaram saldos positivos foram a indústria de transformação que criou 9.363 postos (0,13%) e o Comércio com a geração de 3.940 postos (0,04%). O Caged mede do emprego formal (com carteira assinada). 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM