Jornal do Commercio
CRISE HÍDRICA

Indústria propõe reduzir em 14% a captação do Rio São Francisco

Essa diminuição ocorreria ao longo do mês e o setor não ficaria sem captar a água às quartas-feiras

Publicado em 11/07/2017, às 17h19

A indústria está propondo uma redução de 14% na captação de água do Rio São Francisco / Foto: Divulgação/Ministério da Integração Nacional
A indústria está propondo uma redução de 14% na captação de água do Rio São Francisco
Foto: Divulgação/Ministério da Integração Nacional
Da Editoria de Economia

Os representantes das Federações das Indústrias de Pernambuco (Fiepe), da Bahia (Fieb) e de Minas Gerais (Fiemg), com o apoio da Confederação Nacional da Indústria (CNI), apresentaram, em Brasília, proposta à Agência Nacional de Água (ANA) de diminuir em 14% a água captada no Rio São Francisco por mês. A redução incluiria todas as empresas que têm captação contínua por 13 horas ou mais. O percentual equivale ao que é economizado num mês sem a retirada às quartas-feiras.

“Essa é a nossa forma de contribuir para o Dia do Rio, mais adequada ao padrão industrial porque distribui a redução ao longo do mês, trazendo menos impacto nas empresas que têm esse perfil”, conta o coordenador de Recursos Hídricos da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Percy Soares. O grupo que apresentou as propostas também tinha representantes do Instituto Brasileiro de Mineração. O polo de fruticultura Petrolina-Juazeiro é impactado diretamente pela medida suspensiva.

SUSPENSÃO

A ANA decretou a suspensão da captação das águas do São Francisco às quartas-feiras desde o dia 21 de junho último. No entanto, algumas empresas pediram para a ANA reconsiderar essa medida, porque um dia inteiro sem captar a água poderia trazer muito impacto na sua produção. A agência adiou a suspensão para as empresas a partir de 19 de julho.

A ANA está analisando a proposta. Hoje, representantes da agência devem visitar algumas indústrias e agricultores em Petrolina. Na visita, serão escutadas pessoas impactadas pelo racionamento da água do São Francisco às quartas-feiras. Só ficaram de fora da suspensão as captações para o uso humano e animal.



Mais de 30 cidades são abastecidas pelas águas do Velho Chico em Pernambuco. “A situação do São Francisco é grave. O pior de tudo é não ter água. Mas as regras têm que ser adequadas às particularidades dos usuários”, comenta Percy.
Ele acrescenta também que todo o setor industrial vem reduzindo, sistematicamente, a quantidade de água usada na sua produção. Ele aconselha as empresas que estão fora desse grupo que captam por 13 horas ou mais a procurarem a ANA e tentarem resolver a sua situação individualmente.

“Os usuários do São Francisco que moram nas cidades também deveriam ter essa consciência de reduzir a quantidade de água. As empresas de abastecimento/saneamento perdem entre 30% e 40% de tudo que captam no São Francisco. E isso é muito nesse contexto”, afirma Percy.

O objetivo da ANA ao decretar a suspensão da captação às quartas-feiras para economizar a água principalmente do reservatório de Sobradinho, muito usado na irrigação. A medida ficaria em vigor até o dia 30 de novembro, quando acaba o período seco do Rio São Francisco. O objetivo da medida era fazer com que Sobradinho não chegue em novembro no volume morto, quando a quantidade de água não é suficiente para gerar energia.

O reservatório de Sobradinho estava ontem com 11,28% do seu volume útil. Desde 2012, a área do Rio São Francisco não teve mais um inverno com chuvas dentro da média. A vazão de Sobradinho atualmente é de 600 metros cúbicos por segundo, a menor da sua história. 





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM