Jornal do Commercio
SAÚDE

Crise atrasa desenvolvimento do polo farmacoquímico de Goiana

Apenas uma empresa, fora a Hemobras, conseguiu se instalar no polo anunciado em 2011, durante governo Eduardo Campos

Publicado em 09/09/2017, às 06h01

Hemobras é a principal empresa do polo farmacoquímico em Goiana, mas enfrenta problemas  / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Hemobras é a principal empresa do polo farmacoquímico em Goiana, mas enfrenta problemas
Foto: Guga Matos/JC Imagem
BIANCA BION
btrajano@jc.com.br

Para além de uma moribunda Empresa Brasileira de Hemoderivados (Hemobras), ainda há muito a ser feito no polo farmacoquímico de Goiana, na Zona da Mata Norte de Pernambuco. Anunciado no primeiro governo de Eduardo Campos, até hoje apenas uma empresa se instalou no local, fora a estatal. Outras seis empresas têm projetos para a região de 159 hectares, mas enfrentam dificuldades para se instalar devido à crise. No total, os investimentos na área somam mais de R$ 1,5 bilhão (a maior parte é da Hemobras).

A ideia do polo farmacoquímico nasceu em um momento de prosperidade para Pernambuco. A Hemobras, a empresa mais importante do polo, iniciou suas obras em 2010. O polo, inicialmente, também receberia a fábrica de vacinas da Novartis, empreendimento de R$ 1 bilhão, anunciado pelo presidente Lula e o então secretário de Desenvolvimento Econômico, Fernando Bezerra Coelho. A empresa escolheu ficar em Jaboatão dos Guararapes.

Muita coisa mudou desde lá. A Hemobras está com 70% das obras concluídas e a Novartis não colocou a fábrica em operação. “A crise veio e atrasou a implantação de várias obras. Hoje, a White Martins concluiu a instalação na área. A Multisaúde e a Inbesa (do grupo Rishon) estão com obras em andamento. A Brasbiocombustíveis, Quantas Biotecnologia, Hair Fly e a Biologicus estão para se instalar”, comenta o presidente da AD Diper, Leonardo Cerquinho. Hoje, o governo do Estado oferece 95% de crédito presumido de ICMS, por meio do Prodepe para trazer empresas ao polo.

A Inbesa tem 30% das obras prontas, mas teve que interromper por causa da crise. A empresa anunciou a intenção de mudar a fábrica em Afogados, na Zona Oeste do Recife, para Goiana em 2013. Em 2015, iniciou o projeto, mas não teve perna para continuar. “Sofremos uma queda de 30% do faturamento com a crise. Estamos tentando aprovar financiamento no Banco do Nordeste para continuar a obra em Goiana”, explica o diretor da Rishon, Carlos Eduardo Villachan. O projeto está avaliado em R$ 6 milhões.

A Brasbiocombustível, empresa especializada em projetar usinas de biodiesel e com um dos maiores investimentos, de R$ 70 milhões, perdeu um dos investidores. O plano inicial era de começar as obras em 2015. Em Goiana, a empresa vai atuar como Brasbioquímica em um novo segmento. O objetivo é de fazer produtos para pets e indústria de cosméticos a partir de resíduos do biodiesel. “Com essa limitação, tivemos que remodelar o projeto. Este ano, estamos fazendo ajustes para começar as obras”, disse o diretor Jorge Santos.



Já a Biologicus, da área de cosméticos, enfrentou problemas com burocracia. Atualmente, trabalha no processo de liberação de terreno. O investimento é de R$ 3 milhões. O JC não conseguiu contato com a Multisaúde, Hair Fly e Quantas Biotecnologia.

ENTRAVE

Um entrave para o polo farmacoquímico em Goiana é o atraso na construção do Arco Metropolitano e do miniarco, que ajudariam a desafogar a BR-101 e a escoar com mais facilidade a produção das empresas para o Porto de Suape. Atualmente, o mini-arco é o mais avançado. Uma empresa está realizando estudos sobre a viabilidade da obra.

Sobre mobilidade, a Secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico informou que concluiu o acesso viário à Hemobras. Já as obras de acesso ao polo vidreiro, na mesma região do polo farmacoquímico, terão início até o final deste ano.

Mas nem tudo quanto ao polo farmacêutico em Pernambuco está perdido. Ano passado, a empresa Aché anunciou investimento inicial de R$ 500 milhões que consiste na implantação de uma fábrica, em Suape, com previsão de gerar 500 postos de trabalho. A previsão é de que fique pronto em 2018.

O Laboratório Farmacêutico de Pernambuco (Lafepe) está ampliando a produção para o Sistema Único de Saúde (SUS) com antipsicóticos. Já a empresa mineira Biomm comprou a antiga fábrica da Novartis, em Jaboatão dos Guararapes.



Comentários

Por José Bestão,09/09/2017

Errata: onde está escrito "crise" leia-se "corrupção política brasileira permanente".

Por Sávio,09/09/2017

Infelizmente os governos colocam para ser secretários, amigos e amigos e não técnico, qualquer leigo sabe que um laboratório, só quer instalar perto de aeroporto, porto, universidades e assim vai e não tenho nada contra Goiana, mas lá é onde o ver faz a curva para esta linha de produção, o ideal seria ali perto da UFRPE em Dois Irmãos, onde tem um grande terreno excelente para isto, cadê que Aché e a ex-Novarits quiseram ir para lá - APRENDEM



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Sozinhas nasce uma mãe Sozinhas nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM