Jornal do Commercio
CERVEJA

Grupo Petrópolis espera crescer até 4% com ajuda do Nordeste

Empresa comemorou quatro anos no Nordeste e dois anos em Pernambuco

Publicado em 12/10/2017, às 06h05

Fábrica do grupo Petrópolis, em Itapissuma, produz Itaipava e Crystal / Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Fábrica do grupo Petrópolis, em Itapissuma, produz Itaipava e Crystal
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Da Editoria de Economia

O grupo Petrópolis espera crescer de 3% a 4% no próximo ano, com uma ajudinha do Nordeste. Isso será possível com a participação das fábricas de Itapissuma, no Grande Recife, e de Alagoinhas, na Bahia, – juntas responsáveis por 48% da produção no País, sendo 23% da planta em Pernambuco. Nesta quarta-feira (11), a empresa comemorou quatro anos no Nordeste e dois anos no Estado, falando sobre possibilidades de expansão.

Desde a inauguração, em 2015, o grupo ampliou a participação de 18,9%, em 2015, para 28,5% em agosto deste ano, no Estado. No Recife, passou de 12,4% para 24,9%. Na região, concentra 20,5% do mercado. “Estamos estudando as possibilidades. Pode ser uma ampliação da fábrica ou a construção de uma nova. Tendo a demanda do consumidor, a gente não hesita em ter uma nova unidade de Centro de Distribuição, por exemplo”, comentou a gerente de Propaganda do Grupo Petrópolis, Eliana Cassandre.

Segundo o gerente Industrial da fábrica, Paulo Hallmann, a ampliação é necessária. No terreno atual, há fazenda de mais de 400 hectares para fazer essa expansão da planta. “Mas não é possível falar em investimento sem ter a certeza do retorno”, comenta.




Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Hoje, a fábrica em Itapissuma tem capacidade para produzir 6 milhões de hectolitros por ano, e atende, além de Pernambuco, aos estados de Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Norte. Itaipava e Crystal são os produtos fabricados.

Entre os desafios atuais da empresa na região e proximidades, está o alcance de áreas brancas, onde não há atuação do grupo. Hoje, essas áreas estão localizadas ao Norte do País. “Ainda tem uma carência por conta da distribuição. A gente precisa entender como os estados se comportam”, diz Eliana.

ARENA

Durante o evento, o grupo Petrópolis reafirmou, novamente, que não pretende mais investir em naming rights da Arena Pernambuco. O empreendimento, inicialmente, era chamado como Itaipava Arena Pernambuco, até a rescisão do contrato em 2016, quando recebeu o nome Arena de Pernambuco. Segundo a empresa, a parceria não deu certo, porque a arena não atraiu muitas festas e eventos, que eram previstos como contrapartidas. 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM