Jornal do Commercio
APOIO

Startups de Pernambuco recebem apoio em programa do governo federal

Programa Start-Up Brasil selecionou 46 empresas de todo o Brasil

Publicado em 13/05/2018, às 05h11

Jump Brasil acelera três startups pernambucanas e uma da paraíba / Foto: Divulgação
Jump Brasil acelera três startups pernambucanas e uma da paraíba
Foto: Divulgação
Da Editoria de Economia

Possibilitar o monitoramento através do som. Este é o serviço oferecido pela empresa pernambucana Áudio Alerta, que desenvolveu tecnologia pioneira no Brasil com sensores capazes de identificar barulhos de disparo de arma de fogo, batida de carro, tentativas de arrombamento, quebra de vidro, entre outros. A empresa é uma das participantes da 5ª turma do programa Start-Up Brasil, formada por 45 empresas brasileiras e uma da Suíça que vão receber R$ 9,7 milhões de investimentos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), apoio de 13 aceleradoras e gestão da Softex.

Cada participante recebe até R$ 200 mil em bolsas de pesquisa CNPq, além de incentivo econômico e financeiro das aceleradoras, que inclui no mínimo 10% do investido pelo governo federal, em troca de capital acionário de até 9%, e estrutura, programa de mentoria, assessoria, entre outros serviços. O acompanhamento dura até dois anos.

O objetivo é ajudar no amadurecimento das empresas para que estejam prontas para receber grandes investimentos. “Quando o programa começou há cinco anos, as pessoas não sabiam o que era startup ou aceleradoras. Nos cinco anos, muito do amadurecimento do ambiente de inovação é fruto do programa. É uma parceria público-privada, o governo entra com dinheiro e com o olho do privado, que investe junto com a gente”, explica o diretor do MCTIC, Otavio Caixeta.

As startups selecionadas são das áreas de saúde, tecnologia da informação, telecom, educação, finanças, varejo, agronegócios, segurança, saúde, beleza, entre outras. De Pernambuco, a Jump Brasil entra com um time composto pelas startups Áudio Alerta, bHave e Salvus, do Estado, e a Actions Security, da Paraíba. É a primeira vez que a aceleradora participa do Start-Up Brasil.
“É uma nova geração de empresas e empreendedores que vão atingir economia de escala e mudar o ambiente em que vivem para melhor”, afirma o gerente de empreendedorismo do Porto Digital, André Araújo.



A expectativa em relação ao programa é de alavancar o negócio. O diretor de Produtos da Áudio Alerta, Ivo Frazão, espera construir uma estrátegia de mercado e apresentar a sua empresa ao maior número possível de clientes e parceiros. “A nossa equipe veio de uma empresa de produção de software para ensino musical. Trabalhando com padrões musicais, vimos o problema real da segurança e desenvolvemos os sensores. Mas podemos personalizar a tecnologia de acordo com a necessidade do cliente”, explica. Hoje, a startup trabalha com projetos em parceria com a Secretaria de Defesa Social do Estado, o Porto Digital e bancos. A empresa enviou projeto solicitando R$ 198 mil em bolsas do CNPq.

Outro representante de Pernambuco é a bHave, empresa que possui plataforma para conectar profissionais no tratamento do autismo e pais de pessoas com o espectro. Além disso, possibilita a digitalização de dados de cada sessão, otimizando processos na terapia ABA. “A ideia surgiu a partir do acompanhamento do trabalho da minha esposa, que é terapeuta comportamental. Percebi que era necessário organizar o processo. A parte burocrática consome até 25% do atendimento”, explica o diretor executivo, Cauê Nascimento.

WELCOME ABOARD

Na última sexta-feira (11), ocorreu o Welcome a board, cerimônia de inauguração da turma do Start-Up Brasil, no Apolo 235, no Centro do Recife. O evento reuniu pessoas de todo o País que foram apresentar suas ideias. Felipe Oliveira, um dos diretores da Nex Solar, é do Mato Grosso do Sul. Sua empresa oferece soluções para universalizar a energia solar fotovoltáica. Ele possui 1,5 mil clientes residenciais, industriais e do setor públicos em todo o País, inclusive em Pernambuco. “Trabalhamos com vários tipos de clientes. Atuamos, por exemplo, em um projeto de moradias populares em que instalamos placas fotovoltaicas. Nessas casas, o morador só paga a tarifa mínima de energia”, explica Felipe.

“O governo federal está muito atento às mudanças, a crescente digitalização da economia. Estamos ajudando, agora, o BNDES a montar uma aceleradora. O apoio às startups, no Brail inteiro, é muito importante para que a economia brasileira cresça”, afirma o secretário de Políticas Digitais do MCTIC, Thiago Camargo Lopes.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM