Jornal do Commercio
Operação

Empresários podem ter sido coagidos a formar cartel, diz polícia

Investigação faz parte da Operação 'Funil', que prendeu três funcionários do Sindicombustíveis nessa terça-feira (15)

Publicado em 16/05/2018, às 12h20

Delegado Germano Bezerra está à frente das investigações / Foto: Reprodução
Delegado Germano Bezerra está à frente das investigações
Foto: Reprodução
Da editoria de Economia

Em coletiva realizada na manhã desta quarta-feira (16), a Polícia Civil de Pernambuco esclareceu que empresários do setor de combustíveis estão sendo intimados a depor nas próximas etapas da Operação Funil. A operação, que foi desencadeada nessa terça-feira (15), prendeu três integrantes do Sindicato dos Combustíveis de Pernambuco (Sindicombustíveis), suspeitos de alinhar preços com donos de postos de 11 cidades de Pernambuco. O foco das intimações é saber se os empresários foram coagidos a participar do esquema.

O delegado Germano Bezerra, titular da investigação, explicou que o processo é importante para entender se outras pessoas estavam participando do alinhamento. "A partir de hoje, estamos intimando outros empresários, donos de postos, que não coadunavam com essa prática delitiva. Esperamos que eles contribuam com a investigação policial, porque aí, sim, muitos deles eram coagidos, forçados a fazer parte", enfatizou.

De acordo com o titular, o inquérito deve ser fechado em dez dias, quando a polícia terá fechado se seis empresários, além dos funcionários, estão envolvidos no cartel. "Os empresários (que faziam os contatos com os envolvidos da representação) ainda não foram presos, simplesmente, pelo fato de estarmos ainda de estarmos juntando provas de todos os investigados", pontua Bezerra, que está coletando provas, além dos depoimentos dos investigados.

Operação

A Operação ‘’Funil’’, desencadeada na manhã desta terça-feira (15), prendeu três funcionários do Sindicato de Combustíveis de Pernambuco (Síndicombustíveis) que estão envolvidos em cartel. Segundo as investigações, que começaram em julho de 2017, os funcionários do sindicato faziam o alinhamento de preços dos combustíveis com donos de postos em 11 cidades do estado.



Os funcionários foram presos por ordem de mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça. Além deles, outros 27 mandados de busca e apreensão foram cumpridos, sendo 17 em postos de combustíveis e 10 em residências, incluindo a do presidente do Síndicombustíveis, Alfredo Pinheiro Ramos, que está sendo investigado.

A 14° operação de repressão qualificada em 2018, foi coordenada pela Diretoria de Inteligência da Polícia Civil (DINTEL) com o apoio operacional da Diretoria Integrada de Metropolitana (DIM) e supervisão da Chefia de Polícia. A ação envolveu mais de 160 policiais civis, entre delegados, agentes, comissários e escrivães.

Na Bahia, MPF abriu investigação

Do jornal Correio para a Rede Nordeste

Os preços parecem estar tabelados. Você procura um, dois, três postos em busca de uma gasolina mais em conta, mas os valores, quando não são iguais, se difereciam por centavos. Coincidência ou uma tática dos empresários do ramo para obter lucros maiores? O Ministério Público da Bahia (MP-BA) informou nesta sexta-feira (11) que investigará mais de 200 postos de combustível de Salvador suspeitos de aumentarem os preços e fixá-los, não dando chance de escolha ao consumidor. A pena, caso comprovado o esquema, pode variar entre dois a cinco anos de prisão, em esfera criminal, e multa de até R$3 milhões, na esfera cível. 

Um inquérito civil público foi instaurado na última quinta-feira (10) para apurar a possível manobra dos empresários. O MP, de acordo com a promotora Joseane Suzart, da 5ª Promotoria de Justiça do Consumidor, informou que deve fechar o cerco contra o Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniências do Estado da Bahia (Sindicombustíveis) e o Sindicato das Distribuidoras de Combustíveis do Estado da Bahia (Sindicom-Ba), já que eles representam a categoria. 

 



Comentários

Por LYRA,16/05/2018

A polícia ainda tem dúvidas que a parte menos ruim dos empresários do ramo de combustíveis foram coagidos/forçados a entrar na formação do CARTEL DOS COMBUSTÍVEIS? Eu, pelo menos não tenho nenhuma dúvida quanto a isso, sabendo-se que a maioria dos empresários desse ramo de atividade são verdadeiros marginais da mais alta periculosidade, inclusive muitos são políticos que usam essas empresas para lavagem de dinheiro, ou seja, quem não aceitar formar CARTEL, está ariscado a perder a própria vida. Investiguem, colham depoimentos de alguns empresários e verão se tudo o acima escrito não é a pura verdade.

Por ALEXANDRE VALENÇA,16/05/2018

Palhaçada isso, esse sacan do Presidente do Sindicato é o mais escroto de todos, filho da p.. ainda vai pra imprensa falar que os donos de posto estão ganhando centavos, esse ladrão deveria ser o primeiro a ir pro Cotel, bandido safado.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM