Jornal do Commercio
ATIVIDADES

Setor de serviços cresce 1,3% em março, mas recuperação é lenta no Estado

Em março, houve aumento de 1,3% no volume de serviços em Pernambuco

Publicado em 16/05/2018, às 05h14

Algumas atividades na área de serviços demoram a apresentar reação  / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Algumas atividades na área de serviços demoram a apresentar reação
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Da Editoria de Economia

O setor de serviços apresenta lenta recuperação em Pernambuco. Houve aumento de 1,3% no volume de serviços em março, na comparação com o mês anterior, segundo a Pesquisa Mensal de Serviços do IIBGE. O resultado é superior à queda de 1,7% verificada em fevereiro, devido ao Carnaval, período em que a indústria e o varejo diminuem a atividade. No País, o setor recuou 0,2% em relação a fevereiro. Porém, nos doze meses terminados em março, o volume de serviços caiu 5,3% no Estado e 1,5% no País.

Das cinco atividades avaliadas, apenas uma apresentou alta em Pernambuco no acumulado dos doze meses: serviços prestados às famílias, que engloba alimentação e hospedagem. Neste período, houve alta de 10,3%. Isso é resultado da recuperação do poder de compra das famílias, afirma o economista do Instituto Fecomércio-PE, Rafael Ramos. Na variação mensal, também cresceu 6,7%.

O dono do restaurante Gustattus, no bairro de Santo Antônio, Aldo Cabral, sentiu a melhora no movimento, mas teve que baixar o preço para atrair clientes. “Tive que baixar o preço e apostar na panfletagem para divulgar estabelecimento. Por causa disso, o movimento aumentou 60%”, afirma.

Já transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio caiu 6,4% no acumulado dos doze meses. Mas apresentou alta de 2,9% em março em relação a fevereiro.



O que preocupa é que atividades que possuem maior peso no índice, como serviços profissionais, administrativos e complementares, não apresentam reação. Nos últimos doze meses, houve queda de 11,6%. “Esta atividade tem a maior queda e o maior peso na composição. São trabalhos mais especializados e caros. A indústria e o varejo não estão com força suficiente para voltar a investir e demandar estas atividades”, afirma Rafael Ramos. Serviços de informação e comunicação e os “outros serviços”, categoria que engloba itens como compra, venda e aluguel de imóveis próprios e atividades de apoio à agricultura, também estão em baixa por falta de dinamismo na economia.

TURISMO

Um alívio é que Pernambuco foi destaque no índice de atividades turísticas, em que teve alta de 9% na comparação de março do ano passado com o mesmo mês deste ano. Este é o segundo melhor resultado do País, atrás apenas do Espírito Santo (21%). Na passagem de fevereiro para março, houve alta de 2,3% em Pernambuco.

Entre os fatores que favorecem o turismo em Pernambuco, está a ampliação da malha áerea e o novo hub em Fortaleza, afirma o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagem em Pernambuco (Abav-PE), Marcos Teixeira. “A conectividade com destinos dentro e fora do País são muito importantes”, destaca.

O dono do hostel A Ponte, Beto Lima, tem em média quatro hóspedes por dia. Ele sente que a situação é boa para seu negócio, mas poderia estar melhor. “A maior parte dos meus hóspedes ainda são brasileiros, mas recebo muitas pessoas do Sul e Sudeste do País e da Argentina. Eles vêm conhecer mais a cultura”, diz.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM