Jornal do Commercio
INDICADOR

FipeZap: Recife acumula alta de 7,57% no aluguel em 2018

Em setembro, no País, variação média do preço da locação foi de variação média de -0,01%

Publicado em 16/10/2018, às 07h00

Segundo a última pesquisa de imóveis usados para locação do Secovi-PE, no Recife, estavam disponíveis mais de 6.660 imóveis usados para locação no mês de agosto / Foto: Felipe Ribeiro/ JC Imagem
Segundo a última pesquisa de imóveis usados para locação do Secovi-PE, no Recife, estavam disponíveis mais de 6.660 imóveis usados para locação no mês de agosto
Foto: Felipe Ribeiro/ JC Imagem
Da Editoria de Economia

O preço do aluguel no Recife subiu, e acima da média nacional, segundo o índice FipeZap de locação residencial. Embora no mês de setembro o indicador tenha apontado estabilidade frente agosto, com variação média de -0,01% em todo o País, no acumulado do ano, a capital pernambucana tem a maior alta entre as 15 cidades pesquisadas (7,57%). Mesmo com o resultado dos preços anunciados, as imobiliárias garantem ainda esbarrar na “realidade do mercado” – com mais oferta do que demanda – e têm mantido, em boa parte dos imóveis, reajustes baseados na negociação com o inquilino.

De acordo com o vice-presidente do Sindicato da Habitação de Pernambuco (Secovi-PE) e proprietário da imobiliária Âncora, Luciano Novaes, a possibilidade de conservar o locatário continua se sobressaindo. “Esse percentual talvez esteja refletindo a oferta, mas não chega ao fechamento de negócio. Na minha imobiliária temos 210 imóveis alugados para serem ajustados este mês. Desses, metade vai manter os atuais valores, seja por estar localizado em bairros com número grande de imóveis para locação ou terem condomínios altos... O que temos buscado é conservar o inquilino”, diz Novaes.

Segundo a última pesquisa de imóveis usados para locação do Secovi-PE, no Recife, estavam disponíveis mais de 6.660 imóveis usados para locação no mês de agosto; em julho eram 6.348. “Hoje já há o cuidado de analisar o índice e também a realidade do mercado, que é basicamente a oferta e procura.”



Conforme o FipeZap, no mês de setembro, o Recife continuou em destaque com a terceira maior variação no preço cobrado pelo aluguel, atrás apenas de São Bernardo do Campo (+2,28%) e Belo Horizonte (+1,13%), com índice de 0,92%. O preço do metro quadrado também se manteve o mais caro das cidades analisadas no Nordeste (R$ 26,12), à frente de Salvador (R$ 20,13) e Fortaleza (R$ 15,59). A taxa de rentabilidade do aluguel – razão entre o valor de locação mensal por m² e o valor de venda mensal pelo m² - é de 5,3% na capital pernambucana, enquanto a média do País é de 4,4%.

IGP-M

Mesmo que os índices não estejam sendo completamente refletidos nos contratos, a previsão do relatório Focus divulgado ontem, aponta que a alta do principal índice do aluguel, o IGP-M, em 2018 passou de 9,60% para 9,92%. Há um mês, estava em 8,71%. No caso de 2019, a alta projetada foi de 4,49% para 4,50%.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM