Jornal do Commercio
Notícia
CONSUMO

Vendas de ovos de Páscoa caseiros animam empreendedores

Pesquisa aponta que a venda de ovos de Páscoa artesanais têm proporcionado bons lucros

Publicado em 17/04/2019, às 08h08

Juliana Santos inovou na produção para vender mais ovos de Páscoa este ano / Foto: Analu Pereira/divulgação
Juliana Santos inovou na produção para vender mais ovos de Páscoa este ano
Foto: Analu Pereira/divulgação
Edilson Vieira
Repórter de Economia

A maioria dos donos de pequenos negócios que atuam no ramo de confeitaria e doçaria está otimista com a chegada da Páscoa, aponta pesquisa realizada pelo Sebrae. O estudo revelou que 67% dos empresários acreditam que as vendas serão melhores do que em 2018. A data é a segunda mais lucrativa do setor, perdendo apenas para o Natal. Quase a totalidade dos empresários (87%) trabalha na própria residência. Em relação ao processo de venda, 94% dos negócios atuam por encomenda, sendo que 51% realiza delivery por conta própria e o principal produto comercializado continua sendo os bolos confeitados (50%), seguido pelos doces (23%). Mas 43% não fazem entregas a domicílio.

Não são poucos os que aproveitam a experiência com doces para lucrar durante a Páscoa produzindo ovos e outros produtos alimentícios de chocolate. A cozinheira Juliana Santos,45, atuou em restaurantes até 2013, quando decidiu deixar o emprego formal e trabalhar por conta própria. Ela investiu nos bolos para assegurar a renda familiar. Trabalha em casa e faz tudo sozinha. Há cerca de cinco anos, passou a fazer ovos de Páscoa caseiros. Segundo ela, a procura foi muito boa até mais ou menos 2017. “No ano passado percebi que a concorrência aumentou muito e que eu tinha de fazer algo diferente se quisesse continuar vendendo”.

Para este ano, Juliana criou cones de chocolate em formato de cenoura, que comercializa por R$4 cada. Outra criação são os ovos de 200 gramas com recheio de bolo de cenoura, que ela vende por R$ 18. Resultado, a procura está muito boa. “Ano passado atendi cerca de 80 pedidos e lucrei uns R$3 mil. Esse ano, não estava botando muita fé, mas os pedidos começaram a aumentar e agora estou correndo para dar conta”, diz Juliana que já vendeu cerca de 40 cenouras de chocolate em um só pedido”.



Segundo a pesquisa, em 2018 o desempenho financeiro das confeitarias e docerias também cresceu ou ficou estabilizado para 74% dos pequenos empreendedores entrevistados. Somente 12% afirmaram ter apresentado prejuízo no ano passado. Dos 4.622 empresários ouvidos, 53% afirmaram não possuir outras fontes de renda, enquanto 28% estão empregados formal ou informalmente.

VENDA

A estudante Luana Rocha, de 18 anos, começou a vender brownies, trufas e brigadeiros ainda no colégio. Ano passado fez, pela primeira vez, ovos de Páscoa e já garantiu 50 pedidos na estreia. “Foi muito bom. Rendeu cerca de R$ 2 mil. E eu vendia apenas um tipo de ovo”,ela relembra. Para este ano, ela vende dois tipos de ovos abertos, o chamado “ovo de colher”, com recheios variados. Os preços são de R$ 30 (para os ovos de 250 gramas) e R$ 45 (350 gramas). Com a ampliação da divulgação nas redes sociais ela diz que a procura aumentou. Até ontem (16), já havia fechado 90 pedidos. A doceira tem a ajuda da mãe na cozinha e usa o dinheiro que consegue com os doces para suas despesas pessoais. Estudante do primeiro ano de Administração de Empresas, ela não descarta formalizar a atividade no futuro. “Gosto de fazer doces e quem sabe? posso usar o que aprendi na faculdade para montar uma empresa”.

Para Ana Claudia Arruda, analista de negócios do Sebrae-PE, a atual tendência de aumento no consumo da produção caseira tem a ver com o custo menor do produto mas não apenas isso. “Antigamente o ovo de Páscoa caseiro era quase sinônimo de baixa qualidade. Hoje não é mais. Já se encontram produtos feitos com chocolate de qualidade, ovos gourmet em embalagens caprichadas”, diz a analista. Para Ana Arruda a divulgação feita através das redes sociais é outro ponto a favor da produção artesanal. “Mais de 90% dos empreendedores utilizam a propaganda via redes sociais. Existe ainda a facilidade da entrega em domicílio, o que também é um diferencial em relação ao varejo tradicional”.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM