Jornal do Commercio
LIBERDADE

Justiça revoga prisões de DJ Jopin e seu primo

Com a liberdade, foram determinadas medidas cautelares a ser cumpridas pelos suspeitos

Publicado em 12/07/2019, às 17h30

DJ Jopin havia sido preso em maio por suspeita de sonegação fiscal durante a Operação Mar Aberto / Foto: Divulgação/Polícia Civil
DJ Jopin havia sido preso em maio por suspeita de sonegação fiscal durante a Operação Mar Aberto
Foto: Divulgação/Polícia Civil
JC Online

A Justiça revogou, na tarde desta sexta-feira (12), a prisão preventiva de José Pinteiro da Costa Júnior, o DJ Jopin, e de seu primo, Aníbal Pinteiro, que haviam sido presos em maio por suspeita de sonegação fiscal durante a Operação Mar Aberto. A decisão foi expedida pelo juiz Evanildo Coelho de Araújo Filho, da Vara dos Crimes contra a Administração Pública e a Ordem Tributária da Capital.

Com a liberdade, o magistrado determinou também algumas medidas cautelares a ser cumpridas pelos suspeitos.  Eles não poderão deixar a cidade onde residem por mais de cinco dias sem autorização da Justiça. Eles também estão proibidos de deixar o Brasil e devem entregar seus passaportes. Na decisão, o juiz também determina o comparecimento quinzenal dos suspeitos na Justiça para informar as atividades exercidas, endereços e telefones. 

Além disso, o magistrado proibiu Jopin e seu primo de frequentar as empresas investigadas e de se comunicarem com os demais acusados presos. No mesmo despacho, foram negados os pedidos de liberdade para José Pinteiro da Costa Neto e Rômulo Robérico Tavares Ramos.

Operação Mar Aberto

A primeira fase da operação foi desencadeada no início do mês de maio e foram cumpridos nove mandados de prisão e 18 mandados de busca e apreensão domiciliar. O principal estabelecimento investigado foi a Belmar Comércio Náutico LTDA., cujo sócio administrador era José Pinteiro da Costa Neto, que responde por 77 execuções fiscais. Juntamente com familiares e "laranjas", o empresário usou empresas de fachada, principalmente do setor náutico, para sonegar os tributos.



Das 11 empresas averiguadas, apenas três possuíam empregados registrados, e muitas eram constituídas no mesmo endereço e atuavam na mesma atividade. O grupo econômico movimentou R$ 358 milhões em cinco anos, e acumulou débito de R$ 65 milhões em tributos sonegados. Entre os integrantes da organização criminosa que foram presos na operação estão a esposa e filhos de José Pinteiro Neto, um deles sendo o DJ Jopin, como é chamado.

Em 30 de maio, a Polícia Civil desencadeou a segunda fase da operação Mar Aberto, quando foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo juiz da Vara de Crimes contra a Administração Pública e contra a Ordem Tributária. De acordo com o delegado Jean Rockfeller, durante a operação foram apreendidos dois helicópteros, um iate, seis carros de colecionadores e uma ferrari que estava sendo desmontada. “Muita coisa para gente colocar dentro do inquérito e possa seguir com o trâmite do processo”, afirmou o delegado.

Ainda segundo Jean Rockfeller, o iate é a maior embarcação do tipo no Nordeste. “É uma embarcação cara e luxuosa, avaliado aproximadamente entre 10 e 15 milhões de reais”, disse Rockfeller, que informou que o iate estava ancorado em Cabedelo, no litoral da Paraíba. “Ele estava em Cabedelo, mas já está sendo trazido aqui pela polícia de Pernambuco”, pontuou. O delegado disse ainda que o dinheiro gasto com o transporte da embarcação será recuperado com a alienação dos bens apreendidos na Mar Aberto.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM