Jornal do Commercio
Notícia
Novos hábitos

Alta do preço da carne vermelha coloca em risco o churrasco de fim de ano

Em supermercados, os consumidores têm trocado o bovino pelo peixe, frango ou porco

Publicado em 02/12/2019, às 20h55

O preço da carne só faz subir / Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
O preço da carne só faz subir
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Marília Banholzer
mariliab@ne10.com.br

Impulsionado pelo aumento das exportações para a China, o preço da carne vermelha disparou nos açougues no mês de novembro no Brasil. Casas especializadas no produto já amargam queda de até 30% do movimento. Em supermercados, os consumidores têm escolhido frango, peixe e cortes suínos como alternativas. Há aqueles que já decretaram o fim do churrasco de fim de ano por causa do salto nos preços.

Confira a reportagem:

Para quem não acompanhou, um breve resumo: por causa de mais uma peste suína, o mercado chinês tem investido no aumento da produção de frangos e na importação de carne de porco e bovina. No caso da carne de boi, o Brasil é o único exportador com capacidade para suprir o mercado da China. Com isso, somente no mês de novembro, houve um aumento de 62% no volume exportado em relação ao mesmo período de 2018.

>> No Recife, preço da carne subiu mais que a média no Brasil; veja

>> Fernando Castilho: Preço das carnes não vai diminuir nem tão cedo

Numa casa especializada em carnes e frios, o encarregado Edgleison da Silva disse que ao mesmo tempo em que o preço da carne subiu, o faturamento caiu. “O movimento despencou cerca de 30%. As pessoas vêm, olham o preço e vão embora”, conta ele. Já no açougue de uma grande rede de supermercados, o chefe de carnes e aves, Agnaldo de Oliveira, diz que as pessoas estão trocando o bovino pelo peixe, frango ou porco. “As pessoas esperam que o preço baixe para voltar a consumir, mas este ano a gente só viu subir o preço.”



A afirmação de que o preço da carne bovina, em 2019, só fez subir procede. De acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), ligado à USP, o preço do Boi Gordo (por arroba de 15 kg) iniciou o ano em R$ 149. Nesta segunda-feira (2), o valor já estava em R$ 229, e durante o ano o preço variou muito pouco para baixo – movimento sempre seguido por uma forte alta.

Somente no último mês, as peças mais compradas pelos consumidores sofreram aumentos de cerca de 40% no mercado. O quilo da costela passou de R$ 11,99 para R$ 19,99; coxão subiu de R$ 24,99 para R$ 37,99; o patinho, que custava R$ 27,99, agora é encontrado por R$ 34,99. Já o tão querido filé mignon passou de R$ 45 para R$ 65. Com preços mais salgados, os churrascos das festas de fim de ano estão ameaçados. Os cortes mais disputados, como bananinha (R$ 29,99), fraldinha (R$ 32,99) e picanha (R$ 44,99) estão ficando esquecidos nas prateleiras.

Novos hábitos

A disparada nos preços forçou o consumidor a mudar de hábitos. A dona de casa Fabiana Caetano, 36 anos, disse que tem usado a criatividade para criar alternativas. “Omelete, receitas com frango e porco estão mais comuns lá em casa.” O empresário Jair Lira, 58, diz que não sentiu tanto o impacto porque já costumava investir em carnes de mais qualidade. “Carne pesa em qualquer orçamento, mas acho que as famílias de menor poder aquisitivo estão sofrendo mais o impacto.” Já a dona de casa Paula Figueiredo, 35, disse que suspendeu o consumo de carne de boi e decretou o fim das festas de fim de ano. “Hoje praticamente não compro mais carne e o churrasco de confraternização está cancelado. É muito caro.”




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM