Jornal do Commercio
Notícia
INFLAÇÃO

Veja os tipos de carne que mais sofreram aumento no Grande Recife

Segundo o IBGE, a alta de 8,09% no preço das carnes foi o item que mais influenciou a inflação oficial do Brasil

Publicado em 06/12/2019, às 10h23

Entre outubro e novembro, as carnes tiveram uma variação de 5,6% na RMR, muito superior ao aumento do Índice Geral, que chegou a 0,14% no mês de novembro / Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Entre outubro e novembro, as carnes tiveram uma variação de 5,6% na RMR, muito superior ao aumento do Índice Geral, que chegou a 0,14% no mês de novembro
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
JC Online

Na Região Metropolitana do Recife (RMR), dos dez itens com maior variação de preço em novembro deste ano, sete foram tipos de carnes bovinas, segundo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), responsável por medir a inflação, divulgado nesta sexta-feira (6). A variação acumulada das carnes neste ano é de 17,25% para a RMR e de 12,15% para o Brasil.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a alta de 8,09% no preço das carnes foi o item que mais influenciou a inflação oficial do Brasil. O período de coleta dos dados foi entre 29 de outubro e 27 de novembro.

As carnes que mais sofreram aumento acumulado no Grande Recife neste ano, desde janeiro até novembro, foram o filé mignon (30%), contrafilé (16,5%), costela (16,35%), acém (14%) e pá (14%).



>>> Conheça os diferentes tipos de cortes de carne bovina

Entre outubro e novembro, as carnes obtiveram uma variação mensal de 5,6% na RMR, muito superior ao aumento do Índice Geral também da região, que chegou a 0,14% no mês de novembro. Uma variação de quase 40 vezes maior. As carnes que sofreram maior aumento no mês foram: Patinho (8,1%), costela (6,9%), pá (6,4%) e acém (6,4%). A carne de porco teve aumento de 3,84%.

Pescados

Na contramão das carnes, os pescados apresentaram baixo índices de aumento ou até queda no preço no mês de novembro. Os pescados tiveram variação mensal de 0,94% em novembro. O camarão teve queda de 2,5%, o peixe-pescada teve queda de 2,41%, a sardinha teve queda de 1,6% e o peixe castanha aumento de apenas 0,94%.

Preços

Segundo apuração da editoria de Economia do Jornal do Commercio , o quilo da costela no Recife passou de R$ 11,99 para R$ 19,99; coxão subiu de R$ 24,99 para R$ 37,99; o patinho, que custava R$ 27,99, agora é encontrado por R$ 34,99. Já o tão querido filé mignon passou de R$ 45 para R$ 65. Com preços mais salgados, os churrascos das festas de fim de ano estão ameaçados. Os cortes mais disputados, como bananinha (R$ 29,99), fraldinha (R$ 32,99) e picanha (R$ 44,99) estão ficando esquecidos nas prateleiras.

>>> Fernando Castilho: Preço das carnes não vai diminuir nem tão cedo




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();