Jornal do Commercio
Notícia
LUTO

Morre o empresário Antônio de Queiroz Galvão do Grupo Queiroz Galvão

O sepultamento de Antônio Queiroz Galvão deve acontecer ainda neste domingo

Publicado em 19/01/2020, às 10h10

Antonio de Queiroz Galvão tinha 96 anos.  / Foto: Divulgação
Antonio de Queiroz Galvão tinha 96 anos.
Foto: Divulgação
JC Online
Com informações do Blog de Jamildo

Antônio de Queiroz Galvão, fundador do Grupo Queiroz Galvão (QGSA), faleceu, na madrugada deste domingo (19), aos 96 anos. Ele foi vítima de um AVC, por volta da 1h30. Sua morte foi comunicada manhã deste domingo pela QGSA. De acordo com o comunicado, o velório tem início às 12h e o sepultamento será às 17h, no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife.

O engenheiro trabalhou no Grupo até os 90 anos de forma participativa. Deixa esposa, sete filhos, 22 netos e 25 bisnetos.

>> Familiares e amigos se despedem de Antonio de Queiroz Galvão 

João Carlos Paes Mendonça, presidente do grupo JCPM e do SJCC, lamentou a morte do engenheiro. "Perde o Estado de Pernambuco e perde o País. Antônio Queiroz Galvão foi uma referência na construção civil, onde começou sua atuação como empresário, estendendo sua participação em outros setores onde atuava com a mesma dedicação", disse. 

Trajetória

Antonio de Queiroz Galvão nasceu em Timbaúba, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, no dia 4 de maio de 1923, filho de um vendedor de secos e molhados, Antônio de Albuquerque Galvão, e de Maria Augusta Galvão. Ainda criança mudou-se com a família para o Recife, onde formou-se em engenharia civil pela Escola de Engenharia de Pernambuco.



Começou a carreira como diretor de Obras da Prefeitura do Recife e, mais tarde, criou, ao lado do irmão Mário, a construtora Queiroz & Galvão Ltda. Os irmãos mais novos, Dário e João, também se tornariam sócios da empresa. Entre as primeiras obras da então pequena construtora, estão o sistema de abastecimento de água de Limoeiro, a ligação rodoviária entre o Cabo de Santo Agostinho e Escada e a pavimentação da BR-101.

A empresa

Segundo revela o site da QGSA, os irmãos venderam um Chevrolet antigo, um Jipe e um Ford, com cinco anos de uso, para dar início à empresa, que em princípio realizava pequenas obras de saneamento e pavimentação de estradas. Eram os anos 1950, e o Brasil começava um rápido processo de industrialização.

A entrada no cenário nacional da construção civil foi dada com a conquista de uma grande obra rodoviária no Estado de São Paulo. Nesse período, a sede foi transferida para o Rio de Janeiro, se tornando SA. Entre as várias obras que realizou, estão a Rodovia Transamazônica, a Ferrovia do Aço, as linhas 4 e 5 do Metrô de São Paulo, a linha 4 do Metrô do Rio, a Rodovia Carvalho Pinto, em São Paulo, e a Linha Vermelha, no Rio de Janeiro. Atualmente, o grupo atua na América do Sul, Caribe e África 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM