Jornal do Commercio
Notícia
Paralisação

Em Pernambuco, petroleiros entram em greve por tempo indeterminado

Petroleiros cruzam os braço a partir do próximo sábado; entenda os motivos

Publicado em 29/01/2020, às 15h22

Decisão foi tomada após assembleias da categoria / Foto: divulgação
Decisão foi tomada após assembleias da categoria
Foto: divulgação
Marília Banholzer

O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Petróleo dos Estados de Pernambuco e Paraíba (Sindipetro PE/PB)  decidiu que irá decretar greve por tempo indeterminado nas bases do Sistema Petrobrás de ambos os estados. A paralisação tem início à meia-noite deste sábado (1º). A categoria alega quer a parada é uma medida em "defesa dos empregos e contra as demissões em massa executadas pela empresa."

De acordo com a categoria, a depender da duração da greve, pode ser afetada a distribuição de gás de cozinha (GLP) e gás veicular (GNV). O abastecimento dos postos de combustíveis dos dois estados também pode sentir o reflexo da paralisação. Os petroleiros estimam que uma semana de braços cruzados já começam a refletir nos estoques dos postos de combustíveis da Região Metropolitana do Recife, no caso de Pernambuco, por causa da alto volume que é consumido.

A decisão pela greve foi tomada pela categoria após aprovação nas assembleias realizadas entre os dias 20 e 28 de janeiro de 2020. Com a greve, petroleiros pernambucanos e paraibanos se unem ao movimento grevista nacional, liderados pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), em resposta ao fechamento da Araucária Nitrogenados S/A (ANSA), no polo de Araucária (PR), causando a demissão de 1000 trabalhadores, entre diretos e terceirizados.



» Petroleiros iniciam paralisação em Pernambuco e na Paraíba

O Sindipetro informa, em nota, que com a deflagração do movimento grevista os trabalhadores deverão promover piquetes a partir deste sábado, nas portarias da Refinaria Abreu e Lima e Transpetro, ambos no porto de Suape.

As exigências dos petroleiros

Entre as exigências do movimento está o cumprimento da cláusula 26 do Acordo Coletivo de Trabalho da Araucária Nitrogenados (FAFEN-PR), onde prevê que "a companhia não promoverá despedida coletiva ou plúrima, motivada ou imotivada, nem rotatividade de pessoal (turnover), sem prévia discussão com o Sindicato". Os petroleiros também exigem respeito aos fóruns de negociações instituídos pelo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) de 2019, que suspendem as medidas unilaterais tomadas pela gestão da Petrobrás.

A ANSA, antigamente denominada Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FAFEN-PR) é uma empresa subsidiária do Sistema Petrobrás, cujo fechamento foi anunciado pela gestão da estatal no último dia 13. A categoria alega que não houve diálogo ou aviso prévio aos trabalhadores ou entidades sindicais que os representam.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM