Jornal do Commercio
Notícia
LOGÍSTICA

Movimentação nos condomínios logísticos cresce e gera investimento e emprego em Pernambuco

Em todo o Nordeste foram movimentados ano passado 201 mil m², valor 25% maior do que o acumulado em 2018

Publicado em 14/02/2020, às 16h00

Com expansão, Cone deve contar com mais 1 mil empregos diretos e indiretos na operação / Foto: Divulgação
Com expansão, Cone deve contar com mais 1 mil empregos diretos e indiretos na operação
Foto: Divulgação
Lucas Moraes

O e-commerce tem ditado não só a demanda e velocidade das vendas no varejo como também tem estimulado o crescimento de toda a cadeia logística no País. Por conta das vendas na internet, o dinamismo na distribuição e entrega dos produtos tem sido alvo comum de fabricantes e transportadoras que, na busca pela oferta do melhor serviço, acabam por fomentar o crescimento dos condomínios logísticos de alto padrão. Em Pernambuco, já há condomínio retomando os investimentos e gerando novos postos de trabalho.  

Somente em 2019, de acordo com dados da consultoria JLL, 16 estados da federação apresentaram crescimento nesse segmento, totalizando 2,4 milhões de m² negociados. Considerado, pela consultoria, principal estado do Nordeste para a logística, Pernambuco também obteve bons resultados, com crescimento de 12% entre 2018 e 2019 na absorção bruta (aumento ou diminuição de ocupação nos espaços disponibilizados pelos condomínios).

“O que a gente enxerga no Estado é que os preços acabaram diminuindo um pouco ao longo dos anos, em se tratando do preço pedido pelos proprietários. O preço diminuiu e isso permitiu que as empresas se instalassem”, diz o analista de pesquisa e inteligência de mercado da JLL, Renan Cardoso. Se comparados os últimos três anos, Pernambuco deu um salto na oferta e ocupação dos condomínios. Enquanto em 2017 a absorção bruta foi de 39 mil m², em 2018 ele cresceu para 87 mil m², chegando aos 97 mil m² este ano. Em todo o Nordeste foram movimentados 201 mil m², valor 25% maior do que o acumulado em 2018.

“Hoje já se tem por volta de 1 milhão de m² em condomínios logísticos só em Pernambuco, o que coloca o Estado como o quinto maior nesse sentido no Brasil. A região próxima ao porto (de Suape) é a que concentra a maior quantidade, incluindo aí Jaboatão dos Guararapes e Cabo de Santo Agostinho. Essa área estratégica tem dado protagonismo ao Estado”, reforça Cardoso.
No último ano, o preço do m² comercializado nos condomínios logísticos de Pernambuco chegou a R$ 17 ao mês, permitindo que a taxa de vacância caísse para 13,8%. No fim de 2018, essa mesma taxa era de 16,3%. A nível nacional, a vacância era de 18,5%, com preço médio de R$ 19 por m²/mês.



Retomada da logística

O preço do metro quadrado ainda abaixo da média do mercado em Pernambuco se justifica pelo baque que o segmento logístico sentiu no Estado por conta da falta de demanda industrial, porém, se somado à redução da vacância, há indicativos de há um ritmo de retomada.

“Esses últimos quatro anos foram bastante ruins para o Brasil como um todo. O Nordeste, sobretudo essa área mais próxima a Suape, teve uma pancada muito maior, principalmente por conta do estaleiro e da petroquímica, com a refinaria”, justifica o diretor de negócios do Condomínio Cone, Fernando Perez.

Segundo ele, os bens de consumo conseguiram segurar o ritmo de demanda e, agora, ditam o compasso de retomada dos investimentos.“A demanda se equiparou à oferta. Nesse 2º semestre de 2020 já iria faltar área. Temos cerca de 70mil m² sendo construídos - 60 mil m² de armazém seco e 20 mil m² de frigorificado. Pode-se considerar pelo menos R$ 180 milhões em investimentos, tendo já 250 pessoas trabalhando nas obras e, depois, 1 mil na operação”, destaca. Hoje, o Cone tem 650 mil m² de armazém e mais de 6,5 mil funcionários diretos e indiretos. A vacância gira em 7% e a nova área deve ser entregue já com contratos fechados, em 2021.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM