Jornal do Commercio
Notícia
MUDANÇAS

Entenda como vai funcionar a reforma da Previdência em Pernambuco

O governo de Pernambuco encaminhou um Projeto de Lei Complementar à Alepe sugerindo mudanças no sistema de aposentadorias e pensões dos servidores estaduais

Publicado em 22/11/2019, às 08h36

A principal mudança é o reajuste da contribuição dos servidores, que deve passar de 13,5% para 14%, caso o texto seja aprovado pelos parlamentares / Foto: Dayvison Nunes/JC Imagem
A principal mudança é o reajuste da contribuição dos servidores, que deve passar de 13,5% para 14%, caso o texto seja aprovado pelos parlamentares
Foto: Dayvison Nunes/JC Imagem
JC Online

Menos de dez dias após a promulgação da reforma da Previdência no Congresso Nacional, o governo de Pernambuco encaminhou um Projeto de Lei Complementar à Assembleia Legislativa (Alepe) sugerindo mudanças no sistema de aposentadorias e pensões dos servidores públicos estaduais. A proposta foi publicada nesta quinta-feira (21) no Diário Oficial do Poder Legislativo e traz como principal ponto o reajuste da contribuição dos servidores, que deve passar de 13,5% para 14%, caso o texto seja aprovado pelos parlamentares.

“Esse projeto visa adequar a legislação do Estado de Pernambuco às determinações da Emenda Constitucional 103, a reforma da Previdência. E uma das determinações da EC diz que a alíquota dos entes, Estados e municípios, não pode ser inferior àquela que é paga pela União, que passou a ser de 14%”, explicou Tatiana Nóbrega, presidente da Fundação de Aposentadoria e Pensões dos Servidores do Estado de Pernambuco (Funape).

>> Reforma da Previdência de Pernambuco gera embates entre grupos de servidores

Outra alteração proposta pela legislação é a promoção da segregação de massas do regime próprio de Previdência do Estado, que seria possibilitada pela implementação de um fundo de capitalização chamado Funaprev. O movimento do governo se justificaria porque o fundo previdenciário utilizado atualmente, o Funafin, de repartição simples, tem um déficit de cerca de R$ 2,7 bilhões, segundo a Funape. Após a entrada em vigor do Funaprev, todos os novos servidores estaduais seriam vinculados a ele – exceto militares –, o que, segundo a expectativa do governo, poderia ajudar a equilibrar o sistema.

TETO DAS APOSENTADORIAS

Uma outra consequência da instalação do Funaprev seria a imposição do teto das aposentadorias do INSS para novos servidores, atualmente fixado em R$ 5.839,45. Se o projeto do Palácio do Campo das Princesas passar pela Alepe, porém, os contribuintes ligados ao novo fundo poderão optar por contribuir com um Regime de Previdência Complementar e, assim, ter a possibilidade de receber um benefício maior do que o disponibilizado pelo Regime Geral de Previdência Social (RGPS).



O Funafin e o Funaprev foram criados pela Lei Complementar Estadual 28/2000, mas apenas o primeiro fundo entrou em operação na ocasião. Em novembro de 2018, pouco depois de reeleger-se governador e ainda com um déficit previdenciário de R$ 1,74 bilhão, Paulo Câmara (PSB) afirmou que aguardaria a definição dos rumos da reforma da Previdência em âmbito nacional para promover ajustes nas aposentadorias do Estado.

Além dos servidores, o próprio governo aumentará as suas contribuições previdenciárias se o projeto for aprovado. Hoje, a alíquota paga pelo Estado é de 27%, mas passará para 28% com as mudanças em análise. “Um ponto interessante do projeto é que ele aumenta a destinação de dotação do Estado para o custeio com estes fundos. Tanto para o Funafin quanto para o Funaprev. Isso significa que o governo de Pernambuco assume claramente que o sistema é deficitário e que sua contribuição estava abaixo do necessário e precisou ser complementada”, avaliou Adelgício de Barros, professor titular de direito internacional e previdenciário da Faculdade Estácio.

Questionada sobre a expectativa da Funape com relação aos ajustes, Tatiana Nóbrega destacou que a entidade não pode esperar resultados de impacto com relação à Previdência estadual apenas por conta da proposta que está na Alepe. “As medidas que estamos tomando agora são impositivas da reforma da Previdência e aproveitamos para adequar nossa legislação à nova realidade. Mudanças efetivas são muito tímidas, porque dizem respeito apenas à elevação da alíquota e efetivação da Previdência complementar. Para reformas mais profundas, nós precisaremos aguardar a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) paralela, que tramita agora na Câmara dos Deputados”, comentou a presidente da Funape.

De acordo com o líder do governo na Alepe, Isaltino Nascimento (PSB), o projeto será distribuído na Comissão de Legislação e Justiça na próxima terça-feira (26). “A tendência é que, se houver alguma dúvida, na segunda semana de dezembro, ocorra alguma audiência pública para que tudo seja esclarecido. Acredito que o texto deve entrar em pauta na terceira semana do próximo mês”, afirmou.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM