Jornal do Commercio
Notícia
empreendimento

'Inveja', diz presidente de associação da indústria de hotéis de Pernambuco sobre Centro de Convenções de Salvador

Segundo Eduardo Cavalcanti, o novo equipamento baiano preocupa os hoteleiros locais e 'já está tirando hóspedes de Pernambuco'

Publicado em 23/01/2020, às 15h43

Novo Centro de Convenções de Salvador está praticamente com a agenda 2020 preenchida / Foto: Mona Lisa Dourado/JC
Novo Centro de Convenções de Salvador está praticamente com a agenda 2020 preenchida
Foto: Mona Lisa Dourado/JC
Mona Lisa Dourado
Atualizada às 17h31

“Só tenho uma palavra pra dizer: inveja”. Foi assim que o presidente da seccional pernambucana da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-PE), Eduardo Cavalcanti, classificou seu sentimento ao ser questionado sobre o impacto da inauguração do Centro de Convenções de Salvador no turismo de eventos e negócios do Estado. “Eles já estão praticamente com a agenda de 2020 lotada. É um espaço com gestão profissional de quem entende do setor”, justifica.

Segundo Cavalcanti, o novo equipamento baiano preocupa os hoteleiros locais e “já está tirando hóspedes de Pernambuco”. “O nosso centro, apesar de ter um bom tamanho, esbarra na falta de manutenção”, reclama.

Com quase 41 anos de funcionamento, o Centro de Convenções de Pernambuco (Cecon-PE) tem sido alvo recorrente de queixas do trade e de organizadores de feiras por falhas nas instalações elétricas e hidráulicas, problemas nos banheiros e na climatização e estrutura das salas, além de falta de acessibilidade e de tecnologia de ponta, entre outras questões.

Leia mais: ''Não quero roubar nada de Pernambuco'', diz prefeito de Salvador sobre novo Centro de Convenções

Em função do pleito, o governo do Estado anunciou que iria incluir a cada ano no orçamento R$ 20 milhões para obras de retrofit. “É pouco e muito parcelado para resolver o problema”, sentencia Cavalcanti.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Associação reforço o coro

A presidente da divisão local da Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc), Tatiana Marques, reforça o coro das queixas. “Perdemos competitividade, porque não temos mais diferenciais para mostrar num equipamento que já fez congressista usar até contêiner como banheiro. Descuidamos e agora estamos sofrendo as consequências.” Tatiana também destaca que desde a reforma do Palácio do Campo das Princesas, há setores do governo funcionando dentro do Cecon-PE que não têm relação com eventos. “São salas e áreas perdidas, que não se pode oferecer para as convenções.”

Tanto Tatiana quanto Eduardo Cavalcanti lembram que a GL Events, gestora do centro de Salvador, já estiveram no Recife em busca de negociar uma parceria para assumir o Cecon local. “Sabiam que o Nordeste tinha mercado, mas não conseguiram aqui e foram para Salvador”, comenta Tatiana.

A GL Events, por meio de nota, diz que a vinda ao Estado teve o objetivo de apresentar a empresa. “Essas visitas de apresentação tanto aos setores públicos quanto ao mercado regional fazem parte da rotina da companhia e acontecem com frequência em diversos locais do Brasil e exterior.”

Já o Governo de Pernambuco, também via nota, afirma que “não tem conhecimento de nenhuma negociação e que nada foi firmado com a empresa (GL Events)”. Ainda segundo a nota, o Cecon-PE tem 24 congressos e feiras programados para 2020, entre eles a Hospital Med 2020, com público estimado de 35 mil pessoas, além de um show internacional (Maroon 5), em 5 de março.

Em dezembro, o Estado lançou um edital para um estudo de estruturação que possa subsidiar futura parceria com a iniciativa privada para gestão do Cecon-PE. O valor estimado da licitação é de R$ 838.982,26. "O Cecon já está sendo objeto de licitação pela Central de PPP do Estado instalada na Seduh. Tal processo se destina à contratação de empresa competente para desempenhar o estudo de modelagem de uma futura exploração pela iniciativa privada, buscando tornar o Cecon mais atrativo e competitivo", prossegue a nota.



"Não é concorrente, mas parceiro" 

O governo ainda diz que "a abertura de novo centro no Nordeste é importante para consolidar a região como polo forte de negócios no País". "Não vemos como concorrente, mas como parceiro. Isso está de acordo com todas as ações que vêm sendo pensadas para a região como parte do Consórcio Nordeste."

O diretor executivo de turismo do Recife, Mustafá Dias, diz que “enxerga a inauguração do Centro de Convenções de Salvador com bons olhos”. “O turismo tem que ser entendido a médio e longo prazo como regional e o Nordeste é diferenciado nesse quesito. Cada Estado tem sua peculiaridade.” Sobre a necessidade de requalificação do Cecon-PE, ele afirma que a prefeitura está “ciente de que há uma necessidade de atualização, de modernização, mas isso está sendo tramitando”.

Somente no Pavilhão de Feiras, de 18.670 metros quadrados, a capacidade do Cecon-PE é de 30 mil pessoas. Mas em 2019, apenas a Fenearte movimentou esse público. O governo do Estado destaca, em nota, que "o Cecon de Pernambuco conta ainda com o teatro de maior plateia do Nordeste, com capacidade para 2.400 pessoas. Em 2019, o Teatro Guararapes passou por obras de requalificação em camarins, iluminação e urdimentos (cortinas)".

Entre 2014 e 2018, o faturamento do Cecon pernambucano caiu 40,4% de R$ 8,9 milhões para R$ 5,3 milhões. Em 2019, o volume até outubro era de R$ 5,9 milhões.

Detalhes do novo Centro de Convenções de Salvador

O formato geométrico remete à pomba símbolo da bandeira soteropolitana. Não por acaso. Construído todo em alumínio e vidro autolimpante, numa área de 103,2 mil m2 de frente para o mar, o novo Centro de Convenções Salvador Antônio Carlos Magalhães. A estrutura representa uma redenção para o setor, após cinco anos sem um equipamento de grande porte, desde que o centro de convenções estadual foi fechado em 2015 e desabou parcialmente em 2016. O novo espaço já nasce com pelo menos 30 eventos confirmados, entre mais de 100 prospectados.

“É um equipamento preparado pela Prefeitura para reposicionar a capital baiana como um dos principais destinos do turismo de negócios de todo o Brasil”, disse o prefeito de Salvador, ACM Neto, em entrevista nessa quarta-feira (22) à Rádio Jornal.

Já considerado um dos mais versáteis e charmosos do País, o novo centro multiuso incorpora tecnologia de ponta para receber até 14 mil pessoas simultaneamente em congressos e feiras, além de 20 mil em shows na arena externa. No próximo domingo, ocorre a abertura para o público geral, com shows gratuitos de Cláudia Leitte e Lore Improta, desta vez ao ar livre, com vista para a praia da Boca do Rio.

A estrutura

De surpreender até organizadores experientes de feiras, a estrutura contempla dois andares totalmente climatizados divididos em duas alas, separadas por foyers centrais, além de um terceiro andar com restaurante e terraço a céu aberto. Na parte de trás, está o espaço para grandes shows. Já o estacionamento conta com 1,46 mil vagas. No total, a área construída é de mais de 34 mil m², que demandaram investimentos de R$ 130 milhões do município.

Na avaliação da presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc), Fátima Facuri, o novo centro reinsere Salvador na rota internacional das grandes convenções, feiras e shows, “com potencial de liderar o setor no Nordeste”.

Perfil do turista em Salvador

Quantidade - 9,9 milhões em 2019 e 9,3 milhões em 2018

Brasileiros - 96,8% 

Estrangeiros - 3,2%

Principal Faixa Etária: 36 a 50 anos - 40,6%

Renda Mensal (média) - R$ 6.922

Sexo Feminino - 33,4%

Sexo Masculino - 66,6%

Principal Meio de Hospedagem: Hotel - 49,6%

Tempo médio de permanência - 8 noites

Gasto Total na Viagem (média) - R$ 909,19

Fonte: Secretaria de Cultura e Turismo de Salvador (Secult)

O mercado de eventos e turismo


R$ 32 trilhões gerados por ano no mundo

R$ 936 bilhões por ano movimentados no Brasil 

Participação de 12,93% no PIB brasileiro

25 milhões de empregos gerados no País, um de cada 4 empregos diretos ou indiretos 

590 mil eventos por ano são realizados no Brasil, cerca de 1.600 por dia

Eventos são o terceiro principal motivo da visita de turistas estrangeiros ao País

Também são a razão principal das viagens de 60% dos passageiros em voos domésticos e internacionais

43% de todas de todas as viagens de negócios são estendidas por razões de lazer pessoal 

As viagens de negócios cresceram 14,7% no primeiro semestre de 2019, comparado com o mesmo período de 2018

Gastos tiveram alta de 14,8%, saindo de R$ 4,85 bilhões para R$ 5,57 bilhões 

Fontes: Abeoc; Ubrafe e Ministério do Turismo  

* viajou a convite da Prefeitura de Salvador




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM